Caros leitores, com grande alegria anunciamos que a Voz da Rússia está mudando de nome e se mudando para um novo site. Nós agora seremos conhecidos como a agência de notícias e rádio Sputnik. Vocês podem encontrar todas as últimas notícias da nossa agência em http://br.sputniknews.com. Por favor, atualizem seus favoritos e fiquem conosco!
21 Novembro 2011, 23:37

Piratas esperam SOPA

 Piratas esperam SOPA

O Congresso Americano deverá muito em breve revisar um projeto de lei que irá dificultar a vida dos usuários da Internet. Com o apoio das principais empresas fabricantes de áudio, vídeo e outros conteúdos, será desenvolvida uma lei de combate à pirataria na Internet.

O Congresso Americano deverá muito em breve revisar um projeto de lei que irá dificultar a vida dos usuários da Internet. Com o apoio das principais empresas fabricantes de áudio, vídeo e outros conteúdos, será desenvolvida uma lei de combate à pirataria na Internet. Em Inglês, a lei irá se chamar Stop Online Piracy Act ou SOPA. A principal novidade será a capacidade de bloquear os sites que hospedam o conteúdo ilegal. E não importa em que servidor, americano ou internacional, o site está registrado.

Os Estados Unidos estão preparando uma revolução no mundo virtual. Alguns meios de comunicação já anunciaram que Washington quer controlar a rede mundial. Dentro do Congresso já foram desenvolvidas duas leis. A primeira é sobre a defesa do endereço IP (Protect IP Act, ou PIPA), no entanto, o mais interessante é o segundo documento que se chama SOPA – Stop Online Piracy Act. Se as leis forem aprovadas, os titulares dos direitos autorais – gravadoras, empresas de cinema e TV, editoras e produtoras de programas de computador poderão, sem a autorização do tribunal, exigir dos provedores o bloqueamento do acesso aos sites que violam os direitos autorais.

O fundador de uma das redes sociais mais populares da Rússia e da CEI, a Odnoklassniki.ru, Albert Popkov, diz que a iniciativa do Congresso terá um impacto negativo sobre o desenvolvimento da rede.

Eu acho que estas medidas irão destruir o desenvolvimento da Internet. Primeiramente, irão ser afetados os sites que usam conteúdo ilegal. No entanto, ninguém sabe se os sites onde os usuários partilham informação de modo “legal”, serão afetados. Eu acho que os críticos dessa lei sabem que ela afetará esses sites.

A mesma opinião é compartilhada entre os criadores e presidentes das maiores empresas da Internet dos EUA. As corporações AOL, eBay, Facebook, Google, LinkedIn, Mozilla, Twitter, Yahoo! e Zynga fizeram um apelo a bloquear essa lei.

Hoje, de acordo com a lei Sobre os Direitos Autorais na Era Digital (Digital Millennium Copyright Act), o autor ou detentor dos direitos autorais que encontrar em um site a sua obra sem sua autorização deverá, primeiramente, entrar em contato com a administração do site e pedir a exclusão do conteúdo. Somente se o pedido for negado, o titular poderá processar o site. No entanto, a responsabilidade pelo conteúdo publicado é toda do usuário que publicou, e não do site.

Se a lei for aceite, a responsabilidade será totalmente do site onde o conteúdo foi publicado. No entanto, esta responsabilidade não é fácil de gerir. O site Facebook, por exemplo, tem mais de 800 milhões de usuários. Como, neste caso, seguir todos eles? E acontece que, por causa de uma pessoa, poderá ser bloqueado um recurso virtual usado por milhões de pessoas, diz o advogado Vadim Kolosov, da UNESCO, sobre os direitos autorais.

A lei será aprovada nos EUA. Naturalmente, a lei não irá afetar os sites russos diretamente. O site Vkontakte, por exemplo, não irá ser responsável pela publicação, de acordo com as leis americanas. No entanto, as medidas técnicas prevêm a possibilidade de bloqueio do acesso através dos provedores de Internet. E, neste caso, os titulares dos direitos autorais poderão bloquear o acesso ao site Vkontakte nos Estados Unidos. Eu não acho que a lei mude a situação em relação ao conteúdo na Internet, pois os fundadores dos recursos piratas irão procurar outros meios para burlar a lei.


  •  
    E recomendar em