16:07 21 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5291
    Nos siga no

    A Sputnik Brasil conversou com especialista em questões do Oriente Médio sobre as implicações que um restabelecimento das relações entre Arábia Saudita e Irã pode ter para o Oriente Médio e para o mundo.

    O Irã pediu à Arábia Saudita que os países reabram os consulados e restabeleçam os laços diplomáticos como um prelúdio para o fim da guerra do Iêmen, informa a agência Bloomberg nesta quarta-feira (13).

    Altos funcionários do Irã e da Arábia Saudita se encontraram quatro vezes desde abril deste ano com o objetivo de reduzir as tensões e os conflitos no Oriente Médio. A última rodada de negociações foi em 21 de setembro e outra deve ocorrer em breve de acordo com autoridades iranianas.

    A Sputnik Brasil conversou com Fernando Brancoli, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especialista em questões do Oriente Médio, sobre as implicações que um reestabelecimento das relações entre Arábia Saudita e Irã pode ter para o Oriente Médio e para o mundo.

    Relações rompidas desde 2016

    Em janeiro de 2016, o clérigo xiita Nimr al-Nimr foi executado na Arábia Saudita, país de maioria sunita. A morte do clérigo, considerado terrorista pelo governo saudita, foi bastante criticada no Irã, país de maioria xiita, e, em represália, manifestantes incendiaram a embaixada saudita em Teerã. Em seguida, Riad decidiu romper relações diplomáticas com Teerã.

    Polícia indiana reprime manifestantes xiitas da Caxemira durante um protesto contra a execução do clérigo Nimr al-Nimr pela Arábia Saudita
    © REUTERS / Stringer
    Polícia indiana reprime manifestantes xiitas da Caxemira durante um protesto contra a execução do clérigo Nimr al-Nimr pela Arábia Saudita

    Na semana passada, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, afirmou que as negociações entre os dois países estão no "caminho certo" e frisou que "não fomos [Teerã] os primeiros a cortar relações com a Arábia Saudita. A decisão foi tomada pelas autoridades sauditas".

    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian (à esquerda) encontra-se com o presidente da Síria, Bashar al-Assad, em Damasco, Síria, 29 de agosto de 2021
    © REUTERS / Mídia Associada
    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian (à esquerda) encontra-se com o presidente da Síria, Bashar al-Assad, em Damasco, Síria, 29 de agosto de 2021

    Iraque mediador

    Os encontros entre as duas nações estão ocorrendo no Iraque e foram inicialmente mediadas pelo primeiro-ministro iraquiano Mustafa Al-Kadhimi para promover uma região mais integrada.

    Líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, fala com primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi em reunião em Teerã, Irã, 21 de julho de 2020
    © AP Photo / Gabinete do Líder Supremo Iraniano
    Líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, fala com primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi em reunião em Teerã, Irã, 21 de julho de 2020
    "O Iraque está utilizando esse momento político de maneira muito habilidosa e coerente para tentar se apresentar como mediador. Iraque passou por eleições parlamentares há pouco tempo, está ainda em um processo de muita instabilidade política, e tenta agora se apresentar como um possível mediador diplomático", explica Fernando Brancoli.

    O professor da UFRJ afirma que o Iraque tem muito a ganhar com esse papel, principalmente porque a agenda do país nos últimos anos não tem sido muito favorável: conflitos, violência, presença do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países). "O Iraque ressurgindo como mediador diplomático é muito interessante para o país e pode incentivar inclusive outros processos."

    O que está em jogo

    Fernando Brancoli comenta que a saída dos EUA do Afeganistão e a retomada das negociações entre Washington e Teerã do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), também conhecido como acordo nuclear, foram importantes para essa reaproximação entre Irã e Arábia Saudita.

    "Apesar de estarem reagindo principalmente [aos movimentos] dos EUA, o grande cálculo no fim das contas é interno, das lideranças dos dois países. Isso não significa que outros países não estão interessados nesse processo [...]. Temos o papel dos EUA, que incentiva esse processo, que acha interessante que ele ocorra. Temos o papel da Rússia, como potência regional, que tem interesse em uma região mais pacífica."

    O especialista destaca que os dois países possuem interesse em sair de guerras na região, uma vez que ambos estão envolvidos direta ou indiretamente em conflitos no Iêmen e na Síria.

    "Temos a guerra do Iêmen, onde a Arábia Saudita está envolvida há algum tempo e onde os rebeldes houthis enfrentam os sauditas com apoio indireto iraniano. A Arábia Saudita está bastante preocupada em como sair desse conflito [...] quase um Vietnã da Arábia Saudita e, obviamente, uma ação mais enérgica por parte do Irã, retirando apoio, poderia beneficiar nesse sentido".

    Também na Síria, Teerã e Riad apoiam diferentes atores. O conflito ali já dura dez anos e nada indica que vá se solucionar tão cedo, avalia Brancoli. "Os dois países buscam encontrar uma saída para de alguma maneira conseguir colocar energia, dinheiro e capital político em outros esforços".

    Empecilhos

    O professor da UFRJ salienta que ainda é muito cedo para saber exatamente quais as chances de sucesso nesse processo de restabelecer as relações entre as duas potências do Oriente Médio, principalmente porque a maioria das informações que vieram a público foram divulgadas por Bagdá, que tem todo interesse no sucesso das negociações.

    "Temos que lembrar que a disputa é política, mas tem um tempero [...] que envolve práticas religiosas. O Irã como representante de ramo do xiismo e a Arábia Saudita do sunismo. Não são rivais por causa disso, mas empregam essa narrativa religiosa em alguns contextos para influenciar a disputa política [...]. O sucesso necessariamente vai envolver um debate interno entre grupos importantes nos dois países que acreditam que nenhum tipo de mediação é possível, que se trata de um rival inegociável, o que facilita linha-dura em cada um desses países."

    Brancoli recorda que em política internacional ter um inimigo é muito importante porque é alguém em que as autoridades podem colocar a culpa por problemas internos e para mobilizar a população. "Apaziguar esses grupos mais linha-dura será um desafio para que tenham sucesso no futuro", pondera.

    Peregrinos xiitas batem no peito antes de Ashura, o dia mais sagrado do calendário muçulmano xiita em Bagdá, Iraque, 17 de agosto de 2021
    © REUTERS / Thaier Al-Sudani
    Peregrinos xiitas batem no peito antes de Ashura, o dia mais sagrado do calendário muçulmano xiita em Bagdá, Iraque, 17 de agosto de 2021

    Repercussões internacionais

    Ainda que haja muitas incertezas, uma reconciliação entre Irã e Arábia Saudita teria repercussões em todo o mundo, a começar, evidentemente, pelo Oriente Médio.

    "Estamos falando não só de um caráter geopolítico, mas humanitário. Guerras [no Iêmen e na Síria] são desastrosas para a população civil, com o aumento do fluxo de refugiados, aumento da fome, de morte de civis. De maneira direta que [um acordo] pode levar a uma mudança benéfica para toda a região", assinala o especialista.

    Mas são os impactos indiretos que possuem o potencial de impactar todo mundo, já que Irã e Riad são dois dos grandes produtores de petróleo e derivados do mundo.

    "O preço do barril do petróleo cresce desde o início da pandemia de COVID-19. Imaginando um cenário mais tranquilo, em que a produção possa aumentar, um acordo entre Arábia Saudita e Irã facilitaria um descongelamento das relações entre EUA e Irã, o que pode fazer com que o preço do petróleo diminua. Teríamos aumento de produção e um descongelamento das relações do Irã com o resto do Ocidente. Teria sim a possibilidade de mudanças muito profundas dentro no Oriente Médio e no cenário global", considera.

    O Brasil também seria impactado, principalmente pelo preço do combustível, mas não só.

    Frentista, com bomba de combustível, abastece automóvel, em posto de gasolina de São Paulo, Brasil. Foto de arquivo
    © Folhapress / Danilo Verpa
    Frentista, com bomba de combustível, abastece automóvel, em posto de gasolina de São Paulo, Brasil. Foto de arquivo
    "A inflação no Brasil está relacionada com o aumento do preço dos combustíveis nos últimos meses. Há ainda itens de exportação que, apesar de terem menos destaque, são muito importantes."

    Um desses itens é a carne halal, que precisa ser abatida seguindo os preceitos religiosos islâmicos. Brancoli recorda que o Brasil é o maior exportador de carne halal do mundo e que a Arábia Saudita é um grande comprador de carne de frango halal do Brasil.

    "Imagine que o país [Arábia Saudita] passe a gastar menos energia e dinheiro em crises militares. É um país que acaba se desenvolvendo mais economicamente e poderia ser interessante" para os dois países estreitar esses laços, conclui o especialista.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Irã realiza exercícios militares perto da fronteira com Azerbaijão (VÍDEO)
    Irã revela detalhes de novo radar tático de alcance intermediário Hormuz (FOTO)
    EUA não descartam 'outras opções' caso diálogo com Irã fracasse
    Lanchas rápidas do Irã perseguem embarcações dos EUA no golfo Pérsico, segundo mídia (VÍDEO)
    Tags:
    Irã, Arábia Saudita, combustível, petróleo, petróleo, xiitas, sunitas, Iraque, EUA, Rússia, Brasil, Iêmen, Guerra do Iêmen, Síria, Oriente Médio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar