00:51 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2160
    Nos siga no

    O general Gholam Ali Rashid, comandante da sede da Khatam al-Anbia do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês), argumentou que os exércitos treinados pelos militares dos EUA no Iraque e no Afeganistão não conseguiram combater com sucesso os movimentos terroristas nesses países.

    "Hoje, vemos que ninguém pode combater [e defender seu país] com [adesão ao] pensamento e método dos norte-americanos, enquanto os exércitos criados pelos EUA se desmoronaram no Iraque contra o Daesh [grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países] e no Afeganistão contra o Talibã [organização terrorista proibida na Rússia e em outros países]", comentou o general Rashid no sábado (25).

    Tamanhas observações chegam quase um mês após o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, ter garantido ao presidente iraquiano, Barham Salih, que a missão de combate dos EUA contra o Daesh no país não terminou e está "entrando em uma nova fase com base nas capacidades aprimoradas das Forças de Segurança iraquianas".

    É estimado que, atualmente, cerca de 2.500 soldados norte-americanos estejam estacionados no Iraque ajudando as forças locais a combater os jihadistas do Daesh, sendo que o presidente dos EUA, Joe Biden, teria dito em julho deste ano que a missão de Washington no Iraque terminaria no final do ano.

    Soldados dos EUA em meio a danos no local de bombardeio iraniano na base aérea de Ain Al-Asad, em Anbar, Iraque, 13 de janeiro de 2020
    © AP Photo / Qassim Abdul-Zahra
    Soldados dos EUA em meio a danos no local de bombardeio iraniano na base aérea de Ain Al-Asad, em Anbar, Iraque, 13 de janeiro de 2020

    Os EUA têm mantido sua presença no Iraque desde março de 2003. Nessa época, dezenas de milhares de soldados norte-americanos foram destacados a fim de derrubar o então presidente Saddam Hussein e eliminar as armas de destruição em massa, cuja existência nunca foi confirmada.

    Durante a administração Obama, alguns soldados norte-americanos foram momentaneamente retirados de solo iraquiano, eles acabaram sendo recolocados em 2014 com o surgimento do Daesh, que havia tomado controle de grandes extensões do noroeste do Iraque e prosseguido com sua expansão para o leste da Síria.

    Em 2017, o Iraque e os EUA anunciaram que o Daesh havia sido derrotado, mas as forças de combate norte-americanas permaneceram no país desde então, justificando sua presença citando a ameaça que as forças restantes do grupo terrorista representavam na região.

    No entanto, após o assassinato, ordenado por Washington, do major-general iraniano Qassem Soleimani em Bagdá em janeiro de 2020, o Parlamento do Iraque aprovou uma resolução exigindo que todas as forças norte-americanas fossem removidas do país. Nos meses seguintes, o Pentágono começou a reduzir o número de suas tropas de 5.300 para 2.500 soldados e entregou várias bases principais às forças iraquianas, apesar de se recusar a concordar com as exigências para deixar o país árabe completamente.

    Mais:

    Inteligência dos EUA admite maiores ameaças de terror no Iêmen, Síria, Iraque que no Afeganistão
    Daesh reivindica responsabilidade pelo ataque de foguetes contra aeroporto de Cabul
    'Não se pode confiar' nos EUA, diz especialista à luz de planejada retirada de Washington do Iraque
    Tags:
    EUA, Iraque, Corpo de Guardas da Revolução Islâmica (IRGC), terrorismo, Daesh, Talibã, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar