09:05 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1152
    Nos siga no

    Sob o comando do ex-presidente Omar al-Bashir o Sudão serviu de base para os militantes do grupo palestino Hamas, onde supostamente treinariam e angariavam fundos. No entanto, um acordo de normalização de relações entre Cartum e Tel Aviv parece ter colocado fim a essa cooperação.

    As relações entre o Hamas e o Sudão mostraram sinais de tensão na sexta-feira (24), depois que Cartum anunciou ter confiscado pelo menos uma dúzia de empresas ligadas ao grupo islâmico, que é considerado uma organização terrorista por vários atores regionais e internacionais.

    Adnan Abu Samer, especialista político baseado em Gaza, diz que o Hamas não pode negar que suas "relações com o Sudão se deterioraram após a decisão deste de normalizar os laços com Israel".

    Cartum reconheceu formalmente Israel em outubro do ano passado, após intensas conversações mediadas pelos EUA.

    O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, em telefonema com os líderes de Sudão e Israel, no Salão Oval da Casa Branca, em 23 de outubro de 2020, em Washington.
    © AP Photo / Alex Brandon
    O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, em telefonema com os líderes de Sudão e Israel, no Salão Oval da Casa Branca, em 23 de outubro de 2020, em Washington
    A decisão do Sudão foi motivada pela vontade de o país ser retirado da lista de patrocinadores estatais de terrorismo, bem como sua necessidade de bilhões de dólares que pudessem salvar sua economia falha.

    Após a normalização dos laços entre Israel e o Sudão, Abu Samer diz que o Hamas "não tem lugar no Sudão [...] As relações entre Cartum e o Hamas não podem ficar piores. O grupo islâmico via o Sudão como um parceiro. Essa parceria está agora terminada".

    Hamas não desistirá

    Por vários anos, o Sudão tem, supostamente, permitido a transferência de centenas de mísseis iranianos e outras munições para a Faixa de Gaza.

    Porém, o especialista de Gaza acredita que o grupo não vai ficar parado observando sua antiga "base" sendo "arruinada".

    Líder do movimento islâmico palestino Hamas, Ismail Haniyeh, dirigindo-se a apoiadores durante comício. Foto de arquivo
    © AFP 2021 / KARIM JAAFAR
    Líder do movimento islâmico palestino Hamas, Ismail Haniyeh, dirigindo-se a apoiadores durante comício. Foto de arquivo
    O Hamas, que atualmente enfrenta uma grave crise econômica desencadeada pelo surto da pandemia do coronavírus, não pode sofrer mais perdas, e é por isso que Abu Samer está convencido de que o grupo já está trabalhando em um Plano B.

    Apesar de al-Bashir já não deter o poder, o Sudão ainda tem vários partidos islamistas que apoiam o Hamas e que se opõem às relações de seu país com Israel. Sabendo disso, é provável que o grupo islâmico estreite os laços que tem com esses grupos, o que significa que o contrabando de capitais e armas através do Sudão está longe de ter terminado.

    Mais:

    Assembleia da ONU: Abbas exige que Israel retorne às fronteiras pré-1967 ou enfrente consequências
    Reabertura do consulado dos EUA em Jerusalém enviará 'mensagem errada' aos palestinos, diz Lapid
    Mais de 300 iraquianos influentes apelam para normalização de relações com Israel
    Tags:
    Israel, Sudão, Palestina, Hamas, normalização, relações, protesto, plano B
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar