16:45 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3612
    Nos siga no

    Em um apelo sem precedentes para a reconciliação regional, mais de 300 cidadãos iraquianos influentes pediram que seu país normalizasse os laços com Israel, na noite de sexta-feira (24).

    Oficialmente, o Iraque está em guerra com Israel desde que o Estado judeu foi fundado em 1948, sendo que as forças iraquianas já combateram em três guerras consecutivas contra Israel, informa o The Times of Israel.

    "Exigimos relações diplomáticas plenas com o Estado de Israel, e uma nova política de normalização com base nas relações interpessoais com os cidadãos desse país", disse Wissam al-Hardan, que comandou as milícias tribais sunitas alinhadas com os EUA para combater a Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países) em 2005, citado pela mídia.

    Em setembro de 2020, foram assinados na Casa Branca os Acordos de Abraão, propostos pela administração do ex-presidente norte-americano Donald Trump, entre Israel, Bahrein e os Emirados Árabes Unidos (EAU). Outros países, como Marrocos e o Sudão, assinaram esses acordos de normalização de relações com Israel nos meses seguintes.

    "Devemos escolher entre a tirania e o caos, por um lado, e um eixo emergente de legalidade, decência, paz e progresso, por outro", declarou al-Hardan, citado na matéria.

    A reunião, da qual participaram líderes tribais muçulmanos sunitas e xiitas, ativistas sociais e ex-comandantes militares, ocorreu na capital iraquiana do Curdistão, Arbil. O encontro alargado foi organizado pelo Centro para as Comunicações de Paz, uma organização sem fins lucrativos sediada em Nova York que busca estreitar os laços entre israelenses e o mundo árabe.

    A lei iraquiana continua impondo penalidades rigorosas aos cidadãos e residentes do Iraque que mantêm contato com israelenses. Durante décadas, a associação com "organizações sionistas" ou a promoção dos "valores sionistas" foi punida com a morte. Al-Hardan, por seu lado, criticou duramente essas leis, dizendo que elas violam os direitos humanos fundamentais dos iraquianos, aponta o The Times of Israel.

    As autoridades iraquianas teriam afirmado que seu país não normalizaria os laços com o Estado judeu sem uma solução justa da questão palestina. Porém, em 2019, o embaixador iraquiano nos EUA, Farid Yassin, observou que existem "razões objetivas" para estabelecer laços entre os dois países.

    Muitos palestinos, contudo, se opõem fortemente à normalização entre Israel e o mundo árabe em geral. Tanto o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, quanto o grupo Hamas, classificam os acordos de normalização de "traição".

    Mais:

    Israel concorda em 'fortalecer' economia palestina na 1ª negociação de alto nível desde 2010
    Reabertura do consulado dos EUA em Jerusalém enviará 'mensagem errada' aos palestinos, diz Lapid
    'Não se pode confiar' nos EUA, diz especialista à luz de planejada retirada de Washington do Iraque
    Tags:
    Iraque, Israel, Curdistão, Arbil, líderes, sunitas, xiitas, Abraão, acordos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar