17:24 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    201434
    Nos siga no

    O Pentágono anunciou ter conduzido nesta segunda-feira (20) um ataque aéreo contra um líder sênior da Al-Qaeda em Idlib, norte da Síria.

    Os EUA anunciaram na segunda-feira (20) que conduziram um ataque aéreo contra um líder sênior da Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) na província de Idlib, norte da Síria.

    "As forças norte-americanas conduziram um ataque cinético contra o terrorismo perto de Idlib, Síria, hoje, contra um líder sênior da Al-Qaeda. As indicações iniciais são de que atingimos o indivíduo que pretendíamos, e não há indicações de vítimas civis como resultado do ataque", relatou John Kirby, porta-voz do Pentágono.

    A região é ocupada por tropas da Turquia e milícias muçulmanas radicais.

    Kirby disse que não tinha mais detalhes sobre a identidade do alvo, mas segundo site Intelligence Group, uma ONG norte-americana, relatos de mídia de grupos rebeldes sírios sugerem que o ataque matou Abu al-Bara al-Tunisi e Abu Hamza al-Yemeni, dois combatentes da Tanzim Hurras ad-Din (Guardiões da Organização Religiosa), uma milícia no norte da Síria que está alinhada com a Al-Qaeda.

    Idlib continua sendo o último grande posto avançado das milícias sunitas radicais contra Damasco. A força rebelde dominante é Tahrir al-Sham (Comitê de Libertação do Levante), que se formou em 2017 como uma fusão entre a Frente al-Nusra (ambas organizações terroristas proibidas na Rússia e em vários outros países) e outras milícias similares. A al-Nusra também era conhecida como Al-Qaeda na Síria. Tanzim Hurras ad-Din, o grupo que, segundo consta, foi alvo do ataque aéreo mais recente dos EUA, separou-se do Tahrir al-Sham em 2016, acreditando que se desviou da ideologia da Al-Qaeda.

    Os EUA mantêm uma força de ocupação de 900 soldados na Síria oriental, onde guardam vários campos petrolíferos, cujos produtos são exportados para o leste através do Iraque por caminhão, ao invés de serem exportados para o oeste ao longo das linhas de gás existentes, onde o governo sírio seria capaz de vendê-los.

    Washington justifica sua presença com o apoio às milícias curdas que continuam combatendo os remanescentes do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) na região. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia, que apoia o governo sírio em sua luta contra as forças rebeldes, denunciou recentemente a continuação das tropas norte-americanas na Síria como uma "divisão de fato" do país, impedindo a reunificação e a reconstrução.

    Os EUA há muito que apoiam a al-Nusra e outros "rebeldes moderados" durante a Guerra Civil da Síria, acreditando que eles derrubariam o governo de Bashar al-Assad, presidente da Síria.

    Mais:

    MRE da Rússia: intervenção dos EUA levou a surgimento de terroristas no Oriente Médio
    Caça de coalizão liderada pelos EUA abate drone no leste da Síria
    Grupos radicais se tornam mais ativos na Síria em áreas controladas pelos EUA, adverte Rússia
    Tags:
    Al-Qaeda, Idlib, Síria, Pentágono, EUA, John Kirby, Turquia, SITE Intelligence Group, Tahrir al-Sham, Hayat Tahrir al-Sham, Frente al-Nusra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar