21:08 18 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    162115
    Nos siga no

    Os EUA removeram alguns de seus avançados sistemas de defesa antiaérea Patriot em meio a ataques contínuos contra a Arábia Saudita pelos houthis.

    Imagens de satélite mostraram que a Base Aérea Prince Sultan tinha anteriormente uma unidade de defesa aérea THAAD e um sistema de defesa antimísseis, além de baterias de sistemas Patriot.

    Por sua vez, diversas baterias de defesa não estavam mais na base aérea, conforme mostram imagens registradas no final de agosto e publicadas pela agência de notícias AP.

    ​O que os EUA estão fazendo? Removem o avançado sistema de defesa antimíssil e baterias de Patriot da Arábia Saudita em meio a ataques do Iêmen. A unidade de Defesa Aérea Terminal de Alta Altitude (THAAD) da Base Aérea Prince Sultan está vazia. Eu relatei há três meses que os EUA reposicionariam estas unidades.

    O secretário de imprensa do Pentágono John Kirby, após ser questionado pela AP, admitiu que "alguns ativos da defesa aérea" haviam sido reposicionados.

    "O Departamento de Defesa segue mantendo dezenas de milhares de forças e uma postura de força robusta no Oriente Médio, representando algumas de nossas mais avançadas capacidades de poder aéreo e marítimas, apoiando os interesses nacionais dos EUA de nossos parceiros regionais", afirmou Kirby.

    Além disso, o Ministério da Defesa da Arábia Saudita também admitiu que os sistemas foram retirados, contudo, ressaltou que a medida foi conduzida através de um "entendimento comum e reorientação de estratégias de defesa".

    Mais:

    Atividades petrolíferas dos EUA na Síria congelaram após não renovação da isenção, diz representante
    Saindo do Afeganistão, EUA admitiram na prática o colapso de sua estratégia, diz ex-presidente russo
    Departamento do Tesouro dos EUA restringe transações de títulos da PDVSA até janeiro de 2022
    Tags:
    EUA, Arábia Saudita, sistema de defesa, sistema de mísseis, Patriot
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar