15:14 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2143
    Nos siga no

    Presidente dos EUA afirmou que, mesmo após a saída das tropas norte-americanas do Iraque, Washington ajudará Bagdá no combate ao terrorismo, com foco no aconselhamento e treinamento das tropas locais.

    O presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro iraquiano, Mustafa Al-Kadhimi, assinaram um acordo nesta segunda-feira (26) encerrando formalmente a missão de combate dos EUA no Iraque no final de 2021, mais de 18 anos após o envio de tropas norte-americanas para Bagdá.

    "As delegações decidiram, após as recentes conversações técnicas, que a relação de segurança mudará completamente para um papel de treinamento, assessoria, assistência e compartilhamento de inteligência, e que não haverá forças dos EUA com um papel de combate no Iraque a partir de 31 de dezembro de 2021", diz a nota conjunta. 

    Com a retirada das últimas forças norte-americanas do Afeganistão no final de agosto, o presidente democrata encerra as missões de combate dos EUA nas duas guerras iniciadas pelo então presidente George W. Bush (2001-2009).

    "Nosso papel no Iraque será [...] estar disponível, continuar treinando, ajudando, auxiliando e lidando com o Daesh [organização terrorista, proibida na Rússia e em vários outros países] quando ele surgir, mas não estaremos em uma missão de combate até o final do ano", disse Biden a repórteres, citado pela agência Reuters.

    Soldados dos EUA ficam de guarda durante a cerimônia de entrega do aeródromo Qayyarah às forças de segurança iraquianas no sul de Mossul, Iraque
    © AP Photo / Ali Abdul Hassan
    Soldados dos EUA ficam de guarda durante a cerimônia de entrega do aeródromo Qayyarah às forças de segurança iraquianas no sul de Mossul, Iraque

    'Objetivo é a derrota duradoura do Daesh'

    Atualmente, há 2.500 soldados norte-americanos no Iraque concentrados no combate ao Daesh. O papel dos EUA em Bagdá mudará inteiramente para treinar e aconselhar o Exército iraquiano a se defender.

    Não se espera que a mudança tenha um grande impacto, uma vez que os EUA já se concentram no treinamento das forças iraquianas.

    Uma coalizão liderada pelos EUA invadiu o Iraque em março de 2003, acusando o governo do então líder iraquiano Saddam Hussein de possuir armas de destruição em massa. Saddam foi afastado do poder, mas as armas nunca foram encontradas.

    Nos últimos anos, a missão dos EUA tem se focado em ajudar a derrotar os militantes do Daesh no Iraque e na Síria.

    "Ninguém vai declarar a missão cumprida. O objetivo é a derrota duradoura do Daesh", disse um alto funcionário do governo norte-americano antes da visita de Kadhimi à Casa Branca.

    Mais:

    Defesa aérea repele ataque após sirene de alerta soar na embaixada dos EUA no Iraque (VÍDEOS)
    Milícia do Iraque afirma que resistirá até 'forças de ocupação' dos EUA saírem
    Incêndio em hospital para doentes com COVID-19 no Iraque deixa pelo menos 50 mortos (VÍDEOS)
    Explosão em mercado no Iraque mata 30 pessoas e fere 47, diz mídia
    Tags:
    Iraque, EUA, Joe Biden, tropas, tropas, Casa Branca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar