00:28 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    476
    Nos siga no

    Os afegãos que colaboraram com os militares americanos estacionados no Afeganistão temem por sua vida ante o avanço do Talibã (organização terrorista proibida na Rússia) e pedem apoio do presidente dos EUA, informou a CNN.

    "Não podemos respirar aqui. Os talibãs não têm piedade de nós", contou Abdulhaq Ayoubi, um dos colaboradores.

    "Pedimos gentilmente que o presidente Biden nos salve. Nós o ajudamos e você tem que nos ajudar", acrescentou.

    Ele disse que um seu amigo, Sohail Pardis, intérprete que colaborou com o Exército dos EUA, foi decapitado pelos talibãs após ter recebido ameaças de morte provenientes do movimento, já que o Talibã descobriu sua cooperação com os EUA.

    Segundo Ayoubi, Pardis queria abandonar o Afeganistão, mas não correspondia aos critérios para obter o visto especial por causa de sua demissão.

    Conforme a emissora, cerca de 18 mil afegãos que colaboraram com os militares dos EUA solicitaram visto ao país.

    Antes, o porta-voz do Departamento do Estado dos EUA, Ned Price, informou que o governo americano acolherá 2.500 afegãos que trabalharam para o Exército no Afeganistão, na base de Fort Lee, no estado de Virginia, enquanto terminam as formalidades relativas a seus vistos especiais.

    Pessoas com bandeiras do Talibã se movendo para o Portão da Amizade, posto de passagem na fronteira entre Paquistão e Afeganistão, cidade de Chaman, Paquistão, 14 de julho de 2021
    © REUTERS / STRINGER / Abdul Khaliq Achakzai
    Pessoas com bandeiras do Talibã se movendo para o Portão da Amizade, posto de passagem na fronteira entre Paquistão e Afeganistão, cidade de Chaman, Paquistão, 14 de julho de 2021

    Ao mesmo tempo, Washington pediu que o Tajiquistão, Cazaquistão e Uzbequistão recebam temporariamente cerca de 9.000 afegãos.

    O The Wall Street Journal, por sua vez, informou que os EUA se preparam para acolher até 35 mil intérpretes afegãos e membros de suas famílias em duas bases americanas no Kuwait e Catar.

    O Afeganistão vive uma situação de instabilidade devido aos ataques lançados pelo movimento Talibã e, desde 2015, também pelo Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).

    À medida que as tropas dos EUA e de outros países-membros da coalizão liderada pela OTAN continuam sua retirada do solo afegão, os talibãs estão ganhando terreno na sua ofensiva contra as forças governamentais.

    Mais:

    Afeganistão busca assistência militar na Índia em meio a escalada do conflito com Talibã
    MRE russo: talibãs prontos para compromisso no Afeganistão, seus líderes estão 'fartos' de guerra
    Talibã não 'tem vontade de paz', diz presidente afegão Ashraf Ghani em meio a tensões no país
    Tags:
    Afeganistão, EUA, Talibã, mídia, militantes, retirada
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar