06:00 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1212
    Nos siga no

    O massacre no nordeste de Burkina Faso, onde morreram mais de 130 pessoas este mês, foi efetuado principalmente por crianças de 12 a 14 anos, segundo informaram o governo e a Organização das Nações Unidas (ONU).

    Em 4 de junho, assaltantes armados invadiram a aldeia de Solhan à noite, abriram fogo contra os residentes e queimaram casas. O porta-voz do governo, Ousseni Tamboura, disse que a maioria dos assaltantes eram crianças. A ONU condenou a ação.

    "Condenamos veementemente o recrutamento de crianças e adolescentes por grupos armados não estatais. Trata-se de uma violação grave de seus direitos fundamentais", afirmou o Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), citado pela Reuters.

    Apesar das intervenções das forças de paz da ONU e das forças armadas internacionais, os ataques de extremistas islâmicos continuam na região do Sahel, na África Ocidental, incluindo os países vizinhos Mali e Níger.

    As autoridades locais no norte de Burkina Faso, onde os jihadistas controlam grandes áreas, afirmam que as crianças-soldados têm sido usadas pelos grupos islamistas durante os últimos anos, mas o ataque deste mês foi o maior até agora.

    Mais:

    Talibã falhou em manter promessa de paz, diz chanceler afegão no Conselho de Segurança da ONU
    Países africanos vão enviar forças para ajudar Moçambique a combater extremistas
    EUA e Israel discutem criar 'zona de exclusão aérea' para drones iranianos no Oriente Médio
    Legado dos EUA no Afeganistão é 'desgraça e desastre total', diz ex-presidente afegão
    Tags:
    crianças, mortes, Organização das Nações Unidas, ataque, Burkina Faso, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar