06:05 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 132
    Nos siga no

    Neste domingo (13), Naftali Bennett saiu vitorioso da votação legislativa, se tornando assim o novo premiê de Israel e, ao mesmo tempo, colocando fim a 12 anos de liderança de Benjamin Netanyahu.

    Agora, Bennett terá a árdua tarefa de governar um país bastante fustigado pelo conflito de décadas entre israelenses e palestinos, junto com uma coalizão de governo bastante hetrogênea tanto a nível político como religioso.

    Mohammad Shtayyeh, primeiro-ministro palestino, não se apresenta muito otimista com o futuro do novo governo israelense. "Não vemos este novo governo como menos ruim do que o anterior, e condenamos os anúncios do novo primeiro-ministro Naftali Bennett em apoio aos assentamentos israelenses", referindo-se aos vários milhares de cidadãos israelenses judeus que passaram a ocupar propriedades na Cisjordânia, anteriormente pertencentes a famílias palestinas árabes, reporta o The Guardian.

    "O novo governo não tem futuro se não tiver em consideração o futuro do povo palestino e seus direitos legítimos", acrescentou Shtayyeh, citado pela mídia britânica.

    Ex-dirigente de um pequeno partido ultranacionalista favorável aos assentamentos judeus, o novo primeiro-ministro já teria descartado a existência de um Estado palestino, e quer que Israel mantenha o controle sobre as terras que ocupa. De igual modo, o mesmo também teria instado que o Estado hebraico fosse mais duro em sua resposta aos ataques de foguetes vindos de Gaza.

    Ex-primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, aperta mão do novo premiê, Naftali Bennett, 13 de junho de 2021
    © AFP 2021 / EMMANUEL DUNAND
    Ex-primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, aperta mão do novo premiê, Naftali Bennett, 13 de junho de 2021

    Vários líderes já parabenizaram Bennett, tendo alguns enfatizando a importância de buscar a paz com a Palestina e terminar com a ocupação de seus territórios por Israel. Entre eles, o premiê do Canadá, Justin Trudeau, declarou que Ottawa "se mantém comprometida com a solução de dois Estados, com israelenses e palestinos vivendo em paz, segurança e dignidade - sem medo e com seus direitos humanos respeitados", citado pelo The Guardian.

    Da parte da Casa Branca, nos EUA, em uma chamada telefônica, o presidente Joe Biden também felicitou o novo líder israelense, mas "comunicou que sua administração pretende trabalhar em estreita colaboração com o governo israelense nos esforços para promover a paz, segurança e prosperidade para israelenses e palestinos", citado pela mídia. Afinal, nas palavras do próprio presidente norte-americano, "Israel não tem melhor amigo para além dos EUA."

    Bennett lidera, segundo o mesmo, um "governo de mudança" que se autodenomina uma mistura de políticos ideologicamente opostos, de judeus nacionalistas religiosos de linha dura, e um pequeno partido islâmico árabe, cujo líder, Mansour Abbas, é visto como uma entidade pragmática.

    Comandar um país já instável com tal coalizão será um desafio, mas seu primeiro grande teste será nesta terça-feira (15), quando uma parada de judeus nacionalistas de extrema-direita marchar, conforme seu programa, pelos bairros palestinos de Jerusalém.

    Mais:

    Bolsonaro tentará manter laços com Israel através de consultor dos EUA próximo a Bennett, diz mídia
    Irã na ONU: autoridades israelenses devem ser julgadas por crimes hediondos contra palestinos
    'Palestina vive apartheid, inclusive apartheid médico', diz analista sobre vacinação em Gaza
    Tags:
    Israel, Palestina, Naftali Bennett, conflito, coalizão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar