06:38 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5749
    Nos siga no

    Menos de um mês após o cessar-fogo entre Israel e o Hamas, Tel Aviv pediu a Cairo que não deixe entrar materiais que poderiam ajudar o grupo militante a reorganizar sua capacidade militar.

    Israel pediu ao Egito para interromper, temporariamente, a entrada em Gaza de cimento e outros materiais de construção, que organizações armadas palestinas poderiam desviar para uso militar, segundo a emissora estatal israelense Kan.

    Israel reclama que as mercadorias que entram três dias por semana no enclave costeiro, através do ponto fronteiriço de Rafa, entre Gaza e o Egito, não são monitoradas.

    As autoridades israelenses esperam reunir-se com seus homólogos egípcios para discutir o assunto, pois dizem que sem o monitoramento dos bens que entram em Gaza não há como impedir o Hamas de reconstruir sua capacidade militar.

    Segundo a mídia, Israel informou ao Egito que não se opõe que as equipes de engenharia egípcias em Gaza ajudem a remover os escombros deixados pelos ataques aéreos das Forças de Defesa de Israel (FDI), mas se opõe a que reparem os túneis subterrâneos utilizados pelo grupo militante Hamas e outras facções armadas palestinas.

    O Egito, que desempenhou um papel fundamental na negociação do cessar-fogo em 21 de maio entre as partes, enviou na semana passada tratores de esteira, caminhões e guindastes a Gaza para ajudar nos esforços de reconstrução da faixa após as recentes hostilidades.

    Mais:

    Recente conflito em Gaza foi apenas 'primeira fase' de campanha mais ampla, diz general israelense
    Guerra 'para sempre': líder do Hamas explica por que não vê fim para conflito com Israel
    EUA confirmam 'apoio de ferro' à segurança de Israel
    ONU pede ajuda financeira para assistir 1 milhão de pessoas em Gaza
    Tags:
    Israel, Egito, Hamas, Forças de Defesa de Israel, Forças de Defesa de Israel (FDI), Gaza, Kan
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar