22:13 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1102
    Nos siga no

    O chefe da ala política do grupo palestino Hamas prometeu distribuição "transparente e imparcial" da ajuda humanitária para reconstruir Gaza após os 11 dias de conflito mortal com as forças israelenses.

    O líder do movimento palestino Hamas na Faixa de Gaza, Yahya Sinwar, afirmou na quarta-feira (26) que não tocaria em "um centavo" da ajuda internacional para reconstruir Gaza após a guerra de 11 dias com Israel que destruiu milhares de casas palestinas no território.

    "Saudamos qualquer esforço internacional ou árabe para reconstruir a Faixa de Gaza […]. Afirmo nosso compromisso de não retirar um único centavo destinado à reconstrução e aos esforços humanitários […]. Nunca pegamos um centavo no passado", afirmou Sinwar durante entrevista coletiva e citado pela agência Associated Press of Pakistan.

    Em 21 de maio, as autoridades em Gaza julgaram que os 11 dias de bombardeio pelas Forças de Defesa de Israel (FDI) destruíram pelo menos 2.000 unidades habitacionais e danificaram outras 15.000. Naji Sarhan, ministro da Habitação e Obras Públicas de Gaza afirmou que as perdas chegaram a US$ 150 milhões (aproximadamente R$ 797 milhões).

    Palestino segura criança enquanto passa perto das ruínas de um prédio destruído pelo ataque aéreo israelense no conflito recente entre Israel e o Hamas, 21 de maio de 2021
    © REUTERS / Suhaib Salem
    Palestino segura criança enquanto passa perto das ruínas de um prédio destruído pelo ataque aéreo israelense no conflito recente entre Israel e o Hamas, 21 de maio de 2021

    Ajuda dos EUA condicionada

    As declarações de Sinwar foram feitas depois de o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que viajou para Ramallah, sede da Autoridade Nacional Palestina (ANP) na Cisjordânia, prometer o apoio dos EUA aos palestinos.

    Blinken disse que os EUA buscarão fornecer US$ 75 milhões (R$ 398 milhões) em desenvolvimento e assistência econômica, incluindo US$ 5,5 milhões (R$ 29 milhões) em "assistência imediata a desastres" para Gaza e cerca de US$ 32 milhões (R$ 170 milhões) para a Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA, na sigla em inglês).

    No entanto, o secretário de Estado dos EUA afirmou que o dinheiro para Gaza não deve beneficiar o Hamas, que os EUA consideram como uma organização terrorista. Sinwar comentou que essa condicionante era uma manobra com o objetivo de aumentar o fosso entre o Hamas e o movimento Fatah, também conhecido como Movimento de Libertação Nacional da Palestina, que é ligado à ANP, presidida por Mahmoud Abbas, presidente palestino.

    "Jamais cairemos nesse truque e atacaremos uns aos outros", garantiu Sinwar.

    O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, apertam as mãos enquanto dão entrevista coletiva conjunta em Jerusalém, em 25 de maio de 2021
    © REUTERS / Menahem Kahana
    O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, apertam as mãos enquanto dão entrevista coletiva conjunta em Jerusalém, em 25 de maio de 2021

    Ajuda de parceiros

    O líder do Hamas em Gaza comentou ainda que a região possui "recursos financeiros suficientes [...] uma grande parte dos quais vem do Irã, e outra parte vem de doadores árabes e muçulmanos e pessoas livres do mundo que se solidarizam com nosso povo e seus direitos".

    Em janeiro, o Catar prometeu US$ 360 milhões (R$ 1,9 bilhão) em ajuda a Gaza em 2021. A ajuda vai cobrir os custos de eletricidade e salários de funcionários públicos de dezenas de famílias palestinas, reporta a mídia.

    O líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, na sexta-feira (21), pediu aos Estados muçulmanos que "apoiassem o povo palestino por meio de militares [...] ou suporte financeiro [...] ou na reconstrução da infraestrutura de Gaza".

    Palestino posa com armas ao lado de crianças e adolescentes enquanto Faixa de Gaza celebra cessar-fogo com Israel
    © REUTERS . MOHAMMED SALEM
    Palestino posa com armas ao lado de crianças e adolescentes enquanto Faixa de Gaza celebra cessar-fogo com Israel

    Conflito Israel-Palestina

    Pelo menos 254 palestinos foram mortos desde 11 de maio, incluindo 66 crianças, pelos bombardeios de Israel, afirmam autoridades de Gaza.

    Foguetes do Hamas custaram 12 vidas em Israel, incluindo uma criança, um adolescente árabe-israelense e um soldado israelense, segundo a polícia local.

    Intermediado pelo Egito, o cessar-fogo entre Israel e Hamas foi estabelecido após 11 dias de conflito.

    Mais:

    Netanyahu diz que Israel se destina a deter Hamas, mas não descarta possibilidade de 'o conquistar'
    Cessar-fogo no conflito entre Israel e Gaza está próximo de ocorrer, prevê oficial do Hamas
    'Oportunidade genuína': Biden comemora cessar-fogo entre Israel e Hamas e elogia papel do Egito
    Hamas manterá 'mãos no gatilho' ante Israel mesmo após cessar-fogo, informa mídia
    Tags:
    Fatah, EUA, Antony Blinken, Israel, Gaza, Hamas, Cisjordânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar