02:37 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 102
    Nos siga no

    Nas últimas 24 horas, pelo menos 42 ataques terroristas foram registrados na região síria de Idlib, designada como área de desescalada de conflitos.

    As informações foram divulgadas na quarta-feira (26) pelo contra-almirante Aleksandr Karpov, vice-chefe do Centro Russo de Reconciliação para a Síria. Segundo Karpov, os ataques foram realizados pelo grupo Frente al-Nusra (organização terrorista banida na Rússia).

    "Quarenta e dois ataques de bombardeio das posições do grupo terrorista Frente al-Nusra foram registrados na zona de desescalada de Idlib nas províncias de Idlib (21 ataques), Latakia (14), Aleppo (4) e Hama (3)", disse o contra-almirante.

    O militar disse ainda que o número de ataques, de acordo com dados do lado sírio, totalizou 37, e que nenhum bombardeio por parte de grupos armados ilegais controlados pela Turquia foi registrado no dia anterior. Karpov acrescentou que as unidades da polícia militar russa continuaram as patrulhas na província de Aleppo.

    Soldado da polícia militar russa durante o patrulhamento da rodovia M-4 na província de Idlib, Síria
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Soldado da polícia militar russa durante o patrulhamento da rodovia M-4 na província de Idlib, Síria

    O Centro Russo de Reconciliação para a Síria foi estabelecido em fevereiro de 2016. A organização realiza tarefas como a assinatura de acordos sobre grupos armados ilegais e assentamentos individuais que aderem ao regime de cessação das hostilidades. O grupo também coordena a entrega de ajuda humanitária na região.

    Mais:

    Três foguetes foram disparados da Síria em direção a Israel
    Plano de entendimento da Arábia Saudita com Síria poderia fazer parte de algo maior, diz analista
    Frente al-Nusra prepara novas 'provocações com substâncias químicas' na Síria, afirma MRE russo
    Tags:
    Aleppo, Idlib, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar