21:02 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    O presidente interino Bah Ndaw e o premiê Moctar Ouane do Mali renunciaram, informou a agência France-Presse se referindo a fontes militares e diplomáticas.

    Conforme informou o assessor do vice-presidente do Mali, Assimi Goita, "estão em andamento negociações sobre sua liberação e formação do novo governo".

    Anteriormente, fonte contou à Sputnik que os militares malianos detiveram o presidente interino, o primeiro-ministro e o titular da Defesa do governo interino do país africano e os levaram para uma base militar em Kati, no entorno da capital Bamaco.

    Segundo a fonte, a Guarda Presidencial se recusou a proteger o presidente, deixando que os militares o levassem. O vice-presidente do Mali declarou que liberou o presidente e o premiê de suas funções por causa da violação por eles da carta do período transitório.

    Em Bamaco, tropas do Mali e cidadãos malineses se juntam em frente à residência do presidente do país, Ibrahim Boubacar Keita, em meio a um motim militar em 18 de agosto de 2020.
    © AP Photo
    Em Bamaco, tropas do Mali e cidadãos malineses se juntam em frente à residência do presidente do país, Ibrahim Boubacar Keita, em meio a um motim militar em 18 de agosto de 2020.

    Reação da Rússia

    A Rússia está preocupada com a situação no Mali e apela à liberação das autoridades provisórias e a uma regulação pacífica, disse a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova.

    "Moscou está preocupada com os eventos em desenvolvimento no Mali. Nós apelamos à liberação da liderança provisória e à regulação pacífica da situação atual, consideramos importante assegurar uma dinâmica progressiva na questão do regresso da situação neste país à via constitucional na base de um diálogo nacional e inclusivo", declarou a representante oficial durante um briefing nesta quarta-feira (26).

    Segundo ela, a Rússia continuará participando na normalização da situação no país e prestando seu apoio, incluindo como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

    O golpe no país africano começou em 18 de agosto de 2020 em uma base militar perto da capital Bamaco. Os golpistas anunciaram a detenção do presidente Ibrahim Boubacar Keita e do primeiro-ministro Boubou Cissé. Logo depois, o presidente declarou sua renúncia e a dissolução do parlamento e do governo.

    Os militares do Mali, após negociações com líderes políticos e representantes da sociedade civil, aprovaram em 12 de setembro de 2020 "a lei principal e o roteiro do período transitório" no país. Os vários lados acordaram que esse período iria durar 18 meses.

    Mais:

    Bolsonaristas voltam às ruas e pedem 'golpe militar' e fim do isolamento contra a COVID-19 (FOTOS)
    Parlamento de El Salvador destitui juízes da Suprema Corte e oposição alerta: 'Golpe de Estado'
    Plano de evacuação é ativado após um dos vulcões mais ativos da África entrar em erupção (VÍDEOS)
    Tags:
    presidente, renúncia, golpe, militar, Mali
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar