01:27 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)
    0 12
    Nos siga no

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) está trabalhando com o Egito na possibilidade de fornecer ao país norte-africano US$ 1,6 bilhão (cerca de R$ 8,5 bilhões), disse a instituição em um comunicado.

    Conforme o comunicado do FMI, o novo empréstimo tem o objetivo de aliviar a crise econômica causada pela pandemia da COVID-19 no país africano.

    "Este acordo está sujeito à aprovação do Conselho Executivo do FMI, que ocorrerá nas próximas semanas", disse o comunicado na terça-feira (25). "Após a aprovação, um valor adicional de 1,16 bilhão em SDRs (cerca de US$ 1,6 bilhão [cerca de R$ 8,5 bilhões]) será disponibilizado para o Egito", acrescentou o FMI.

    Os SDR, ou direitos de saque especiais, são um ativo de reserva internacional criado pelo FMI em 1969 para complementar as reservas oficiais de seus países membros.

    Logotipo do Fundo Monetário Internacional (FMI), em foto de 12 de outubro de 2018
    © REUTERS / Johannes P. Christo
    Logotipo do Fundo Monetário Internacional (FMI), em foto de 12 de outubro de 2018

    O FMI disse que o forte desempenho e o comprometimento das autoridades egípcias nos últimos 12 meses ajudaram o país a atingir os objetivos do fundo sobre estabilidade macroeconômica e proteção de gastos sociais e de saúde, além das reformas estruturais.

    Apesar da possível ajuda ao Egito, o FMI também tem um outro acordo de US$ 5,2 bilhões (cerca de R$ 27,7 bilhões) liberados para o país.

    Tema:
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)

    Mais:

    Arqueólogos desenterram 250 túmulos do Egito Antigo escavados na montanha (FOTOS)
    Egito e Tunísia podem persuadir Hamas a interromper aumento das tensões com Israel, diz Casa Branca
    Egito começa dragagem do canal de Suez após bloqueio de março (VÍDEO)
    Tags:
    FMI, COVID-19, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar