22:37 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    333
    Nos siga no

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse nesta terça-feira (25) que a Casa Branca se opõe a qualquer medida que prejudique a solução de dois Estados para o conflito entre Israel e Palestina. 

    O funcionário norte-americano visitou Israel para conversar com autoridades locais, entre elas o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

    A recente escalada de confrontos entre Israel e Hamas teve início na noite de 11 de maio e matou mais 250 pessoas, a maioria palestinos. Um cessar-fogo entrou em vigor na sexta-feira (21).

    "Nós nos opomos a quaisquer medidas tomadas por qualquer um dos lados que possam gerar violência ou, ao longo do tempo, prejudicar a perspectiva de retorno a uma solução de dois Estados. Isso inclui a atividade de assentamento, inclui demolições, inclui despejos, inclui incitação à violência, inclui o pagamento a terroristas", disse Blinken em coletiva de imprensa.

    O secretário de Estado afirmou ainda que havia a possibilidade de uma retomada de esforços para se alcançar a solução de dois Estados, segundo ele a "única maneira" de garantir a paz para Israel e uma nação aos palestinos.

    "Em última análise, existe a possibilidade de retomar os esforços para alcançar uma solução de dois Estados, a qual continuamos a acreditar ser a única maneira de realmente garantir o futuro de Israel como um estado judeu e democrático e, claro, dar aos palestinos o Estado que eles têm direito", afirmou Blinken em Jerusalém.

    Reabertura de consulado

    Além disso, o secretário de Estado anunciou que a Casa Branca vai continuar com o processo de reabertura de seu consulado em Jerusalém Oriental e reforçará laços com os palestinos. A declaração foi feita em Ramallah, na Cisjordânia, após encontro com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. 

    O consulado norte-americano em Jerusalém Oriental foi fechado em 2017, quando o ex-presidente Donald Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel. Em 2018, os EUA transferiram sua embaixada no país para a capital israelense. 

    Mais:

    Blinken: se Rússia tomar medidas imprudentes contra interesses de EUA e aliados, Washington agirá
    EUA não têm mais interesse em comprar a Groenlândia, diz Blinken
    Netanyahu em reunião com Blinken: responderemos de forma muito poderosa se Hamas violar cessar-fogo
    Tags:
    Benjamin Netanyahu, Mahmoud Abbas, Antony Blinken, conflito, Palestina, Israel, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar