07:12 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2121
    Nos siga no

    A demora de Moçambique em confirmar sua necessidade de ajuda por parte de seus vizinhos para combater a insurgência islâmica em seu território parece não ser compatível com o plano regional delineado pela ministra de Segurança da África do Sul, Ayanda Dlodlo.

    Segundo Dlodlo, apesar de a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês), constituída por 16 nações, estar disposta a intervir, Moçambique ainda precisa enviar um convite ao bloco comercial regional para que seus membros constituintes possam enviar forças, de acordo com a agência Bloomberg.

    Na terça-feira (18), Dlodlo afirmou que a SADC estaria ciente do que é necessário fazer, contudo, "Moçambique está envolvendo um número de países fora da SADC para buscar assistência em conter a insurgência no país para que não se propague pelo resto da região. A SADC, por sua vez, tem a vontade política e militar de intervir assim que for convidada", citado pela mídia.

    Filipe Nyusi, presidente de Moçambique, aceitou várias ofertas de ajuda estrangeira tanto a nível de treinamento militar como de cooperação de inteligência. Não obstante, o líder da nação africana afasta, por enquanto, a hipótese de intervenção militar estrangeira direta, uma vez que teme que a soberania nacional possa ser ameaçada.

    Família moçambicana recebe apoio da Organização das Nações Unidas em campo para pessoas deslocadas internamente em Cabo Delgado, Moçambique, 26 de janeiro de 2021
    © REUTERS / Rui Mutemba
    Família moçambicana recebe apoio da Organização das Nações Unidas em campo para pessoas deslocadas internamente em Cabo Delgado, Moçambique, 26 de janeiro de 2021

    Grande parte dos indivíduos responsáveis pelos eventos em Cabo Delgado corresponde a jovens e pobres moçambicanos, mas há também ugandenses, tanzanianos e congolenses nas fileiras de criminosos.

    "Existem alegações de que há sul-africanos dentro dos grupos insurgentes em Moçambique […]. Os rumores dizem que eles foram detidos. A África do Sul gostaria de receber acesso a esses indivíduos, de modo a questioná-los com nossos homólogos moçambicanos", declarou Dlodlo, citada pela Bloomberg.

    Até agora, as forças militares moçambicanas não conseguiram controlar os grupos jihadistas que afirmam ser aliados do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países). Os ataques violentos conduzidos por estes grupos mataram cerca de 2.838 pessoas e deslocaram mais 700 mil para fora de suas casas.

    Mais:

    Moçambique: 12 pessoas foram decapitadas ao tentar fugir de vila sitiada por terroristas, diz jornal
    África do Sul vai proibir a criação de leões em cativeiro para caça de troféus
    Ataque em Moçambique envolveu militantes de pelo menos 4 nacionalidades
    Tags:
    intervenção militar, Daesh, jihadistas, insurgência, África do Sul, Moçambique
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar