22:30 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    356
    Nos siga no

    No norte de Moçambique, na província de Cabo Delgado, o movimento extremista entre a população muçulmana tem ganhado força desde 2017.

    Recentemente, o grupo armado Ansar al-Sunna jurou fidelidade ao Daesh, apesar de não haver ligação demonstrável entre eles. Isso chamou a atenção dos países ocidentais, cujas forças já estão envolvidas em aparentes campanhas antiterroristas em outros locais de África.

    O grupo radical islâmico Ansar al-Sunna, conhecido localmente como Al-Shabab (organização terrorista proibida na Rússia e outros países) é mais alimentado pela ira relativamente à exploração e deslocamento de pessoas que os projetos de gás natural liquefeito (GNL) e extração de rubis por corporações multinacionais ocidentais têm provocado na província, que está entre as mais pobres de Moçambique, do que por uma devoção séria a uma ideologia militante muçulmana.

    Depois de recentes notícias alertarem que os atrasos nos enormes projetos de GNL em Cabo Delgado possam causar déficits globais, a União Europeia e Portugal falaram sobre o envio de tropas para combater a crescente insurgência perto dos locais de extração de GNL.

    Nesta quinta-feira (6), Josep Borrell, alto representante para a Política Externa e Segurança da União Europeia, declarou após a cúpula do G7 em Londres que a União Europeia está planejando enviar uma missão de treinamento militar a Moçambique "o mais rápido possível".

    "O governo de Moçambique tem pedido ajuda, vamos tentar enviar uma missão de treinamento […] a fim de conter a situação de segurança," disse Borrell aos jornalistas. "Se não formos capazes de enviar a missão até o final deste ano, eu não consideraria isso como um bom resultado. Espero que o façamos antes".

    Militares portugueses durante treinamentos na base de Tancos, foto de arquivo
    Militares portugueses durante treinamentos na base de Tancos, foto de arquivo
    "Portugal já ofereceu metade dos efetivos e enviou instrutores militares, mas isso tem de ser considerado como um avanço a integrar em uma missão de treinamento da União Europeia se chegarmos a um acordo", acrescentou Borrell.

    "Eu acho que é bom ter a capacidade de intervir imediatamente se você realmente quer ser uma potência geopolítica. Devemos ser capazes de agir tão rapidamente quanto necessário", disse ele.

    No fim de abril, a empresa francesa Total confirmou ter suspendido os trabalhos em um enorme projeto de gás de US$ 20 bilhões (aproximadamente R$ 109 bilhões) no norte de Moçambique, após o último ataque jihadista a uma cidade próxima ao empreendimento no mês passado.

    Mais:

    Moçambique: 12 pessoas foram decapitadas ao tentar fugir de vila sitiada por terroristas, diz jornal
    Petroleira Total confirma suspensão de tarefas em projeto de gás em Moçambique após ataque jihadista
    Ataque em Moçambique envolveu militantes de pelo menos 4 nacionalidades
    Tags:
    forças militares, tropas, União Europeia, Portugal, Moçambique, grupos islâmicos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar