07:17 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1415
    Nos siga no

    Segundo mídia israelense, a saúde do líder supremo do Irã, Ali Khamenei, está se "agravando" devido a um câncer de próstata, o que tem "efeito significante" nas negociações sobre o acordo nuclear com os EUA, as quais o aiatolá "tenta adiar".

    A notícia surgiu nesta quinta-feira (6) na mídia israelense Wallam, que citou fontes do sistema militar.

    Não é a primeira vez que surge especulação em torno da saúde do líder supremo iraniano. Em 2015, as mídias informaram que Khamenei foi internado em condição "crítica" e tinha supostamente uma esperança de vida de apenas dois anos.

    Os relatos surgiram após Khamenei ter sido submetido a uma cirurgia de próstata em 2014, que, de acordo com sua conta no Twitter, foi bem-sucedida.

    Conforme reportou a mídia, o aiatolá se opõe à restauração do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) antes das eleições presidenciais no Irã, a fim de impedir outra vitória e acumulação de poder pela equipe de Hassan Rouhani, atual presidente iraniano. Rouhani não participará nas próximas eleições presidenciais previstas para 18 de junho.

    O relatório afirma que Washington reconhece "as tensões entre blocos" no Irã e está pressionando para que o acordo seja assinado "com as forças pragmáticas moderadas" a fim de reforçar sua posição na República Islâmica e ajudá-la durante as eleições.

    Neste mês de abril, em Viena, ocorreram negociações entre os signatários do JCPOA sobre a possível restauração do acordo. Por sua vez, Israel tem expressado sua oposição à possível renovação deste.

    Representantes de vários países aguardam o início da reunião da Comissão Conjunta do JCPOA em Viena, Áustria, 6 de abril de 2021
    © REUTERS / Delegação da União Europeia de Viena
    Representantes de vários países aguardam o início da reunião da Comissão Conjunta do JCPOA em Viena, Áustria, 6 de abril de 2021

    Recentemente em maio, o presidente dos EUA, Joe Biden, supostamente se reuniu com Yossi Cohen, chefe da agência de inteligência israelense, Mossad, para discutir o Irã e o processo das negociações.

    De acordo com Walla, Cohen descreveu o processo nuclear iraniano como uma "fraude e decepção" e que é destinado a confundir os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e outras agências de vigilância sob o programa nuclear iraniano.

    Teerã continua insistindo que seu programa nuclear permanece completamente pacífico, refutando alegações israelenses de que o Irã está tentando criar armas nucleares.

    As negociações em Viena sobre o possível retorno dos EUA e do Irã ao acordo nuclear – unilateralmente abandonado em 2018 pelo ex-presidente norte-americano Donald Trump – continuam. No fim de abril, o Irã elogiou o progresso em Viena, dizendo que as negociações estavam "no caminho certo" e prometendo retomar compromissos nucleares assim que as sanções dos EUA contra o país forem canceladas.

    Mais:

    Irã revela novos 'sistemas de defesa avançados' no Dia do Exército Nacional (FOTOS)
    Irã reconhece autenticidade de áudio vazado com declarações polêmicas do ministro Zarif
    Petróleo em 1º lugar: Khamenei nomeia condições para redução das atividades nucleares
    Tags:
    Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), JCPOA, Irã, Aiatolá Ali Khamenei
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar