07:05 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7369
    Nos siga no

    O comandante do Exército dos EUA na África, general Stephen Townsend, alerta para a "ameaça crescente" da China não só nas águas do Pacífico, mas nas do oceano Atlântico.

    Em entrevista à agência AP, o general Stephen Townsend afirmou que Pequim busca estabelecer um vasto porto marítimo para abastecer submarinos ou porta-aviões na costa ocidental africana, o que explicaria a aproximação chinesa de Mauritânia e Namíbia. Se tudo ocorrer como planejado, Pequim poderia conseguir estender suas bases militares navais até o Atlântico.

    "Os chineses estão procurando um novo lugar para rearmar e consertar navios de guerra, que se tornaria militarmente útil em um conflito", explicou Townsend, citado pela mídia.

    Os avisos do comandante do Exército dos EUA na África surgem em um momento de mudança de foco de Washington do Oriente Médio para a região do Indo-Pacífico, devido à contínua expansão da influência econômica e militar chinesa que poderia se tornar o maior desafio à segurança dos EUA, conforme a administração Biden.

    Presidente chinês, Xi Jinping, participa da 5ª edição do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), em 3 de setembro de 2018, em Pequim
    © AP Photo / HOW HWEE YOUNG
    Presidente chinês, Xi Jinping, participa da 5ª edição do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), em 3 de setembro de 2018, em Pequim

    Comandantes norte-americanos, espalhados pelo mundo, confirmam que Pequim está assegurando seu poder econômico em países da África, América do Sul e Oriente Médio, e, de igual modo, busca estabelecer bases militares nos mesmos.

    Segundo Townsend, a primeira base militar naval da China no exterior foi construída em Djibuti, no Chifre da África, há vários anos. Desde então, a capacidade chinesa continua aumentando, e atualmente cerca de dois mil militares se encontram nessa base, inclusive centenas de fuzileiros responsáveis pela segurança da instalação.

    Relatório do Departamento de Defesa dos EUA de 2020 informa que o gigante asiático poderia vir a considerar adicionar instalações militares para suportar seu poderio naval, aéreo e terrestre em Angola e em outros países. Uma boa razão para o fazer seria a enorme quantidade de petróleo e gás natural liquefeito na África e no Oriente Médio, passando a ser regiões prioritárias para a China nos próximos 15 anos, de acordo com a agência AP.

    Submarino Yuan da Marinha Popular de Libertação da China, ancorado na Base Naval de Zhoushan.
    Submarino Yuan da Marinha Popular de Libertação da China, ancorado na Base Naval de Zhoushan.
    Henry Tugendhat, analista político sênior do Instituto dos EUA para a Paz, por sua vez, acredita que os esforços de expansão chineses para a costa atlântica seriam incentivados, maioritariamente, por questões econômicas e não necessariamente militares.

    Porém, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, está conduzindo uma revisão global do posicionamento norte-americano, de modo a averiguar se Washington está onde deveria estar no mundo.

    Mais:

    Parceria China-EAU na fabricação da Sinopharm amplia influência chinesa no Oriente Médio, diz mídia
    MRE russo: iniciativa da China para Oriente Médio está em linha com abordagem de Moscou
    Perdendo supremacia: Blinken alerta África sobre crescente papel da China na região
    Tags:
    militar, Atlântico, EUA, África, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar