23:22 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7615
    Nos siga no

    Na terça-feira (27), o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, revelou sua visão da política externa do país, considerando os Estados Unidos um parceiro estratégico e trabalhando com os aliados para procurar soluções contra o "comportamento negativo" do Irã.

    Em sua entrevista de televisão no quinto aniversário da estratégia Visão 2030, o plano da Arábia Saudita para reduzir sua dependência do petróleo, o príncipe herdeiro dedicou grande parte de suas observações ao lugar do reino no mundo, segundo o jornal Arab News.

    Mohammed bin Salman disse que o governo saudita concordou com a administração do presidente dos EUA Joe Biden sobre a maioria das questões e disse que estão trabalhando juntos para encontrar uma base de consenso em suas divergências.

    "Como em qualquer família, os irmãos não concordam a 100% em todas as questões e assuntos. Isso é semelhante quando se trata de governos", disse o príncipe herdeiro.

    Salman afirmou que a Arábia Saudita está de acordo com 90% da política do presidente norte-americano Joe Biden, dizendo que as diferenças podem diminuir ou aumentar.

    "E quanto às coisas em que temos algumas diferenças com eles, cerca de 10%, tentamos neutralizar o risco e chegar a um entendimento sobre elas. Eles são nossos parceiros há mais de 80 anos", segundo o príncipe herdeiro.

    Salman disse que a Arábia Saudita quer que o Irã, um país vizinho, "cresça e prospere", esperando ter boas relações com eles.

    "Nosso problema é com influências negativas, tais como seu programa nuclear, o suporte a seus apoiadores regionais e seu programa de mísseis balísticos. Estamos trabalhando com nossos parceiros para encontrar soluções para estas questões", revelou o príncipe saudita.

    Quanto aos rebeldes houthis, Salman disse que a Arábia Saudita espera que os houthis se sentem à mesa de negociações para encontrar soluções que garantam direitos para todos. O príncipe herdeiro afirmou que nenhum país do mundo aceita milícias em suas fronteiras.

    "Embora não haja dúvidas de que os houthis têm uma relação próxima com o regime iraniano, não há dúvidas de que os houthis são árabes no fim das contas, e é inevitável que eles tenham de trabalhar com seus irmãos para acabar com este conflito", de acordo com Salman.

    O príncipe herdeiro disse que o reino tem sido vítima de extremismo, revelando que a "Arábia Saudita tem sido um dos principais alvos de projetos extremistas e atos terroristas no mundo". Não há lugar para o extremismo no reino, sendo incompatível com o crescimento da economia, atração do turismo e criação de emprego, segundo Salman.

    Mais:

    EUA investem US$ 18 bilhões em interceptor avançado para impedir mísseis da Coreia do Norte e do Irã
    Arábia Saudita diz ter destruído barco com explosivos em porto no mar Vermelho
    Israel estaria fazendo lobby para que EUA pressionem por impedimentos ao programa nuclear do Irã
    EUA pressionam Arábia Saudita a permitir entrada de mais ajuda para o Iêmen
    Tags:
    política, houthis, príncipe, Irã, EUA, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar