17:54 14 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4618
    Nos siga no

    Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, rejeitou a possibilidade de respeitar um novo acordo nuclear iraniano, dizendo que Irã "nos ameaça com a aniquilação".

    Israel não estará vinculado a um possível reavivamento do acordo nuclear iraniano porque o país deve ser capaz de se defender contra um agressor potencial, disse na quarta-feira (7) Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, em um discurso de cerimônia oficial durante o Dia da Memória do Holocausto.

    "Um acordo com o Irã, que nos ameaça com a aniquilação, não nos comprometerá", afirmou, comentando os diálogos em andamento em Viena entre a comissão conjunta do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) e representantes iranianos.

    De acordo com o líder israelense, o acordo nuclear em sua forma original "não tem valor".

    "Digo também a nossos amigos mais próximos: Um acordo com o Irã, que nos ameaça com a aniquilação, não nos comprometerá. Somente uma coisa nos comprometerá: impedir que aqueles que desejam nos destruir realizem seus planos", disse Netanyahu.

    Os Estados Unidos expressaram recentemente sua intenção de reconstruir o acordo nuclear, abandonado por Washington em 2018. Os EUA exigiram que Teerã revertesse algumas medidas tomadas desde então para avançar seu programa nuclear, mas a República Islâmica observou que os EUA deveriam primeiro remover todas as sanções reinstituídas após a retirada do país norte-americano do pacto.

    Tel Aviv se opôs ao JCPOA desde o início, e após a possibilidade de sua retomada alegou que o "antigo formato" poderia ajudar o Irã a criar um "arsenal nuclear", pedindo restrições mais amplas para o Irã.

    Segundo o portal Mako, Israel está buscando "um acordo nuclear melhorado e de longo prazo" que inclua provisões sobre o programa de mísseis balísticos de Teerã e suas atividades no Oriente Médio, às vezes definidas por Tel Aviv como relacionadas ao terrorismo. Ao mesmo tempo, o Irã tem negado constantemente as alegações de que está buscando obter armas nucleares.

    Durante a cerimônia, Netanyahu também criticou a decisão "ultrajante" do Tribunal Penal Internacional (TPI) de lançar uma investigação sobre possíveis crimes de guerra israelenses contra os palestinos, dizendo que o povo judeu "tem todo o direito de se defender de seus inimigos".

    Na quinta-feira (8), países de todo o mundo marcam o Dia da Memória do Holocausto para honrar a memória de seis milhões de judeus mortos durante o Holocausto, e também comemorar o movimento de resistência judaica da Segunda Guerra Mundial.

    Mais:

    Limitação de inspeções nucleares do Irã pela AIEA é 'ameaça' que exige 'resposta', afirma Israel
    Ministério iraniano diz que Benjamin Netanyahu está 'furioso por perder seu tolo na Casa Branca'
    'Irã claramente está por trás da explosão do navio israelense no golfo de Omã', diz Netanyahu
    Tags:
    JCPOA, Plano de Ação Conjunto Global, Benjamin Netanyahu, Irã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar