18:05 14 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4260
    Nos siga no

    Abbas Araghchi, vice-chanceler do Irã, reiterou nas discussões oficiais em Viena, Áustria, que Teerã regressará ao acordo nuclear com a remoção das sanções. A Rússia considerou o encontro um sucesso.

    O primeiro passo e o "mais necessário" para restaurar o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), ou acordo nuclear, é Washington levantar as sanções contra Teerã, disse na terça-feira (6) em Viena, Áustria, Abbas Araghchi, vice-ministro das Relações Exteriores do Irã.

    "A suspensão das sanções dos EUA é o primeiro e mais necessário passo para restabelecer o Plano de Ação Conjunto Global", disse Araghchi durante reunião presencial da comissão conjunta do JCPOA.

    "O Irã está totalmente preparado para suspender suas medidas corretivas, voltando à plena implementação do JCPOA uma vez que as sanções sejam suspensas e verificadas", sublinhou.

    Reunião em Viena

    Não houve contatos diretos entre Teerã e Washington, apesar da presença de uma delegação dos EUA. Segundo Mikhail Ulyanov, representante permanente da Rússia junto a organizações internacionais em Viena, e que chefiou a delegação russa, a reunião do JCPOA decorreu entre diretores políticos em formato presencial.

    A reunião da Comissão Conjunta sobre o JCPOA foi concluída com bastante sucesso. Os dois grupos de especialistas – sobre a suspensão de sanções e sobre questões nucleares – foram encarregados de elaborar listas de medidas a serem tomadas para o regresso à plena implementação do JCPOA. Os especialistas vão iniciar os trabalhos imediatamente.

    Em 2015, o Irã assinou o JCPOA com a China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, EUA, Alemanha e União Europeia. O acordo exigia que o Irã reduzisse seu programa nuclear e as reservas de urânio em troca de alívio das sanções, incluindo o levantamento do embargo de armas cinco anos após a adoção do acordo. Em 2018, os EUA abandonaram o acordo durante a administração de Donald Trump (2017-2021) e implementaram sanções duras contra Teerã.

    Como resultado, o país persa começou gradualmente a abandonar seus compromissos com o JCPOA.

    Em dezembro de 2020, o Irã aprovou uma lei para aumentar seu enriquecimento de urânio e limitar as inspeções da ONU de suas instalações nucleares em resposta à morte do cientista nuclear Mohsen Fakhrizadeh. Teerã tem afirmado que regressará imediatamente ao cumprimento pleno do acordo nuclear assim que as sanções ao país sejam retiradas.

    Mais:

    Ex-agente das FDI diz que Irã exigirá bastante 'até concordar em se juntar às negociações' com EUA
    Rouhani: EUA 'arrastam os pés' com acordo nuclear perdendo 'oportunidade de ouro'
    Reunião sobre acordo nuclear em Viena: Irã diz não querer conversa com EUA até suspensão das sanções
    Israel diz que há 'mensagens contraditórias' dos EUA em relação ao acordo nuclear e revela apreensão
    Rússia diz que fará o possível para viabilizar contato indireto entre EUA e Irã sobre acordo nuclear
    Tags:
    Abbas Araghchi, Áustria, Viena, Nações Unidas, ONU, Mikhail Ulyanov, Twitter, JCPOA, Rússia, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar