20:56 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Em seu discurso inaugural, o novo presidente do Níger, Mohamed Bazoum, que tomou posse nesta sexta-feira (2), pediu aos países da região que mobilizem seus esforços para enfrentar o terrorismo.

    Bazoum venceu a disputa presidencial em fevereiro, e teve sua eleição confirmada em março pelo tribunal constitucional do país, em meio a convocações de protestos nacionais por parte da oposição, contestando os resultados. Nesta sexta-feira (2), a cerimônia de posse foi realizada na capital Niamey, apenas dois dias depois de uma tentativa de golpe de Estado frustrada pelas autoridades.

    Reitero meus parabéns a Mohamed Bazoum e desejo a ele um mandato de sucesso e prosperidade. Prometo trabalhar com ele para fortalecer a cooperação bilateral entre os nossos países e para a felicidade de ambos os povos.

    Esta é a primeira vez que o país africano realiza uma transição democrática de poder desde a sua independência da França em 1960. Diversos líderes de países da região compareceram à cerimônia, como Togo, Chade, Senegal, Mali, Gâmbia, Mauritânia, Burkina Faso e Costa do Marfim, assim como o ministro das Relações Exteriores francês Jean-Yves Le Drian.

    "Os terroristas do Boko Haram e do Estado Islâmico [ambas organizações terroristas proibidas na Rússia] cometem assassinatos sangrentos e trazem muita dor para o Níger. Para contê-los são necessários os esforços e a mobilização do Níger e de seus vizinhos, especialmente Mali e Nigéria", disse Bazoum em seu pronunciamento, que foi transmitido pela Facebook.

    O recém-empossado presidente também pediu "ajuda na luta contra o terrorismo no Níger" aos países do G5 do Sahel — que inclui o próprio Níger, além de Burkina Faso, Chade, Mali e Mauritânia — e aos Estados-membros do Conselho de Segurança da ONU.

    Soldado francês da Operação Barkhane mantém guarda no aeroporto militar Diori Hamani, em Niamey, no Níger
    © AFP 2021 / Dominique Faget
    Soldado francês da Operação Barkhane em aeroporto militar no Níger

    Na última segunda-feira (29), Bazoum classificou a operação liderada pela França para combater os jihadistas na região do Sahel um "fracasso relativo" e assinalou que gostaria de ver melhores resultados nessa cooperação, uma semana depois do violento ataque de insurgentes registrado no oeste do Níger, que resultou na morte de pelo menos 137 pessoas.

    A França enviou milhares de soldados para as ex-colônias africanas Níger, Mali, Mauritânia, Chade e Burkina Faso como parte da Operação Barkhane, que foi implementada em 2013 para ajudar os países no enfrentamento à insurgência islâmica. Atualmente, o país europeu mantém 5.100 tropas no Sahel.

    Mais:

    Jihadistas atacam base da ONU na Nigéria
    Nigéria: 19 agentes de segurança são mortos em emboscada jihadista
    Tiros são ouvidos perto do escritório do presidente eleito do Níger, diz mídia
    Tags:
    Níger, cerimônia de posse, terrorismo, Sahel, África Ocidental
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar