15:56 27 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3411
    Nos siga no

    Reino Unido, Alemanha, Itália, EUA e França negaram reconhecer os resultados da próxima eleição presidencial na Síria como justa, de acordo com declaração conjunta publicada pela Casa Branca.

    O documento de recusa foi publicado em 15 de março, três dias antes do 10º aniversário do início da guerra civil na Síria. Chanceleres dos cinco países atribuíram a responsabilidade pela guerra contínua e miséria populacional ao governo sírio.

    "O presidente Assad e seus apoiadores carregam responsabilidade por anos de guerra e sofrimento humano seguido", diz a declaração no site da Casa Branca.

    Relatando as consequências das tensões na Síria, os chanceleres ocidentais afirmam que "após anos de conflito, corrupção generalizada e má gestão econômica, a economia síria está quebrada".

    Notando que qualquer processo político precisa de participação de toda a nação síria, incluindo a diáspora e refugiados, os diplomatas constatam que "a proposta eleição presidencial síria neste ano não vai ser livre nem justa, bem como não deverá conduzir a qualquer medida de normalização internacional com o regime sírio".

    Todos os ministros envolvidos na declaração asseguram que não vão abandonar o povo sírio, ressaltaram que "nós não podemos permitir que esta tragédia dure mais uma década" e prometeram se esforçar para resolução pacífica do conflito.

    Guerra civil na Síria começou em março de 2011. Os principais participantes do conflito são forças governamentais, que apoiam o presidente Bashar Assad, a chamada oposição moderada e grupos islâmicos.

    Mais:

    Dispersão de protesto na Síria deixa 15 feridos, segundo o Exército russo
    Ministério da Defesa turco acusa Síria de ataques contra norte da província de Aleppo (VÍDEO)
    Dezenas de caminhões-tanque e veículos militares dos EUA entram na Síria
    Tags:
    Síria, chanceleres, conflito sírio, Guerra Civil Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar