21:38 22 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3223
    Nos siga no

    O Shahr-e Kord, um navio porta-contêineres de bandeira iraniana, sofreu na quarta-feira (10) no Mediterrâneo danos causados pelo impacto de objetos explosivos, que Teerã caracterizou de "ataque terrorista".

    Israel é o "principal suspeito" no ataque de quarta-feira (10) ao navio Shahr-e Kord, informou no sábado (13) a agência iraniana Nour News, citando um membro da equipe técnica que investigou o incidente.

    "Veja a localização geográfica do navio e a forma como foi alvejado, uma das fortes possibilidades é que este ato terrorista tenha sido realizado pelo regime sionista", disse a mídia, referindo-se a Israel.

    Em seu comentário, a fonte do Nour News indicou que vários objetos altamente explosivos teriam atingido contêineres no convés do navio, e que esses objetos podem ter sido disparados de uma aeronave.

    Saeed Khatibzadeh, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, classificou o incidente de sabotagem, o que constituiu uma violação do direito internacional e da lei do mar, e disse que as agências apropriadas tinham sido encarregadas de identificar a causa do incidente.

    O Irã afirma que o Shahr-e Kord estava em rota do país persa para a Europa, e que seu casco foi atingido por um objeto explosivo quando navegava em águas internacionais no Mediterrâneo, causando um incêndio no local da explosão. O fogo foi extinto e nenhum tripulante do navio ficou ferido, segundo Khatibzadeh.

    As autoridades israelenses não comentaram o incidente ou as alegações de envolvimento.

    Mais:

    Defesa do Irã para Israel: 'Arrasaremos Tel Aviv e Haifa até o chão' se Teerã for atacada
    Caças de Israel e bombardeiros dos EUA fazem 'demonstração de força' ao Irã (VÍDEO, FOTO)
    Após derramamento de óleo no Mediterrâneo, Israel acusa o Irã de 'eco-terrorismo'
    Submarino israelense teria cruzado canal de Suez em 'mensagem' para Irã
    Tags:
    Mediterrâneo, Irã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar