18:44 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 33
    Nos siga no

    Jihadistas alinhados ao Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) emboscaram um comboio militar nigeriano, matando 15 soldados e quatro milicianos, segundo informaram fontes de segurança.

    A informação só foi divulgada neste sábado, mas o comboio foi atacado por combatentes da ISWAP — sigla em inglês para Província da África Ocidental do Estado Islâmico, grupo que possui ligações com o Daesh — perto de Gudumbali, na região do Lago Chade, na quinta-feira (11) passada, disseram as fontes, segundo publicou a AFP.

    Soldados nigerinos ocupam posições na fronteira com a Nigéria em Diffa, Niger
    © REUTERS / Joe Penney
    Soldados nigerinos ocupam posições na fronteira com a Nigéria em Diffa, Niger

    O ataque foi o mais recente em um conflito jihadista que matou 36 mil pessoas e deslocou centenas de milhares no nordeste da Nigéria desde que começou, há mais de uma década.

    "Perdemos 15 soldados e quatro civis JTF [milícia] na emboscada dos terroristas na floresta perto de Gudumbali", disse à AFP um oficial militar que pediu para não ser identificado.

    O oficial informou que 13 combatentes do governo, incluindo dez soldados, ficaram feridos na emboscada.

    O comboio de dez veículos estava a caminho de Gudumbali, na cidade de Kukawa, para uma operação militar contra os insurgentes quando foi atacado, disse outra fonte militar.

    O ISWAP, que se separou do grupo jihadista Boko Haram (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) em 2016, tornou-se uma ameaça dominante na Nigéria, atacando tropas e bases enquanto matava e sequestrava passageiros em postos de controle falsos.

    Mais:

    Mais de 300 alunas desaparecidas: homens armados realizam sequestro em massa na Nigéria
    Jihadistas atacam base da ONU na Nigéria
    COVAX: Angola e Nigéria recebem milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca
    Tags:
    morte, militar, ataque, Daesh, terrorismo, Nigéria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar