01:51 21 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    448
    Nos siga no

    O premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou hoje (3) o Tribunal Penal Internacional de antissemitismo, após a corte anunciar a abertura de uma investigação sobre possíveis crimes de guerra cometidos nos territórios palestinos ocupados.

    Nesta quarta-feira (3), a procuradora-chefe do TPI, Fatou Bensouda, confirmou o início de uma investigação relacionada à "situação na Palestina", a qual abrangerá crimes da competência do tribunal que, supostamente, tenham sido cometidos a partir de 13 de junho de 2014, data a que se faz referência no encaminhamento enviado ao seu gabinete. 

    A decisão da corte ocorre na sequência de um entendimento de uma câmara de pré-julgamento do TPI, no mês passado, de que o tribunal tem jurisdição para abrir investigações criminais contra israelenses e palestinos por possíveis crimes de guerra cometidos na Cisjordânia, na Faixa de Gaza e em Jerusalém Oriental, determinação contestada por Israel

    ​"A decisão do Tribunal Internacional de abrir hoje uma investigação contra Israel por crimes de guerra é absurda. É antissemitismo puro e o cúmulo da hipocrisia", afirmou Netanyahu. "Tem como alvo Israel, a única democracia no Oriente Médio. Mas é claro que faz vista grossa ao Irã, à Síria e às outras ditaduras que estão cometendo verdadeiros crimes de guerra a torto e a direito. Nunca vamos parar de lutar contra essa injustiça. Falaremos a verdade em todos os fóruns, em todos os países, em todas as etapas, até que essa decisão ultrajante seja revertida e se torne nula e sem efeito".

    Mais:

    EUA querem promover pacto entre Israel e Arábia Saudita se Riad adotar os 'valores norte-americanos'
    Irã diz estar monitorando de perto ações de Israel no golfo de Omã
    Israel planeja desenvolver 'acordo especial de segurança' com Estados do golfo Pérsico, diz ministro
    Tags:
    Israel, Tribunal Penal Internacional (TPI), Benjamin Netanyahu, crimes de guerra, investigação, antissemitismo, Palestina, territórios ocupados
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar