15:45 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 51
    Nos siga no

    Jihadistas atacaram uma base da ONU na cidade de Dikwa, na Nigéria, e tentaram entrar em um espaço onde 25 funcionários se refugiaram, de acordo com fontes humanitárias e de segurança.

    O grupo de combatentes do ISWAP — sigla em inglês para Província da África Ocidental do Estado Islâmico, grupo que possui ligações com o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países) — invadiu a cidade de Dikwa na noite desta segunda-feira (1º) atacando um acampamento militar e uma base da ONU, disseram à AFP um oficial do exército e uma fonte do setor humanitário na região.

    "Os terroristas do ISWAP lançaram um ataque simultâneo a uma base militar e a uma base humanitária da ONU. A base humanitária foi incendiada por combatentes, mas até agora nenhum funcionário foi atingido", disse a fonte humanitária, segundo publicou a AFP.
    Forças da Nigéria e do Chade participam de exercício conjunto coordenado pelos EUA, com objetivo de combater ameaça terrorista na região do Sahel, na África central
    © AP Photo / Jerome Delay
    Forças da Nigéria e do Chade participam de exercício conjunto coordenado pelos EUA, com objetivo de combater ameaça terrorista na região do Sahel, na África central

    "Temos 25 funcionários que se refugiaram em um bunker, que os insurgentes estão tentando invadir”, disse a fonte, confirmando informações do chefe do exército.

    Reforços militares baseados na cidade de Marte, a 40 quilômetros de distância, foram enviados para ajudar a repelir os jihadistas, disse a fonte humanitária.

    "Dois aviões e um helicóptero fornecem apoio aéreo para afastar os jihadistas da base", finalizou a fonte.

    Mais:

    Chade diz que enviará 1.200 soldados para zona de fronteira com Mali, Níger e Burkina Faso
    Avião cai na Nigéria deixando 7 mortos (VÍDEO)
    Mais de 300 alunas desaparecidas: homens armados realizam sequestro em massa na Nigéria
    Tags:
    conflito, violência, ONU, ataques, jihadistas, Nigéria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar