23:37 06 Março 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3322
    Nos siga no

    O ministro da Inteligência do Irã, Mahmoud Alavi, não descartou a possibilidade de obtenção de armas nucleares pela nação persa, se o país "for encurralado".

    O ministro ressaltou que o programa nuclear iraniano tem caráter exclusivamente pacífico, enquanto a utilização do programa nuclear para criação de armas nucleares está em contradição com as normas islâmicas.

    "No entanto, vou lhes dizer: se um gato é encurralado, ele pode agir como não agiria se estivesse livre. Se o Irã for empurrado neste rumo, não será culpa do Irã. Nas condições normais, o Irã não tem planos parecidos", disse o ministro ao canal de televisão IRIB TV2.

    Washington repetidamente expressou sua preocupação em relação à obtenção de armas nucleares pelo Irã, porém, Teerã negou tais planos.

    Entretanto, o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), celebrado em 2015, que previu a restrição do programa nuclear iraniano, não chegou a três anos de existência. Em maio de 2018, os EUA anunciaram a saída unilateral do acordo e a restauração das sanções contra Teerã.

    Depois de um ano, o Irã anunciou a redução gradual de seus compromissos no âmbito do acordo, se recusando a restringir pesquisas nucleares, centrífugas e o nível do enriquecimento de urânio. No final de 2020, entrou em vigor a lei iraniana que lançou a produção de urânio enriquecido até 20%, bem como a utilização das centrífugas mais potentes e o recuso das investigações da AIEA, por causa das sanções impostas à nação persa.

    Mais:

    AIEA teria encontrado vestígios radioativos em instalações do Irã, diz mídia
    Oficiais de inteligência europeus estariam temendo ataque vingativo do Irã por prisão de diplomata
    Biden usaria acordo nuclear para pressionar Irã sobre mísseis e seu 'patrocínio a grupos locais'
    Tags:
    Seyed Mahmoud Alavi, ministro, armas nucleares, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar