14:37 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10365
    Nos siga no

    Kenneth McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA (USCENTCOM, na sigla em inglês), apontou a Rússia e a China como alguns dos principais desafios geopolíticos dos norte-americanos no Oriente Médio.

    A Rússia e a China continuarão representando desafios para os EUA no Oriente Médio, disse na segunda-feira (8) o general Kenneth McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA (USCENTCOM, na sigla em inglês), durante debate virtual no Instituto do Oriente Médio.

    "Suspeito que a Rússia continuará desafiando a presença dos EUA [no Oriente Médio]", disse McKenzie.

    O oficial militar também disse que a Rússia continuará perseguindo seus objetivos estratégicos maiores na região, incluindo o reforço de seu status como potência mundial.

    Soldado da polícia militar russa durante o patrulhamento da rodovia M-4 na província de Idlib, Síria
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Soldado da polícia militar russa durante o patrulhamento da rodovia M-4 na província de Idlib, Síria

    O comandante do USCENTCOM observou que a atividade da Rússia no Oriente Médio, juntamente com a atividade iraniana, as preocupações da Turquia com a segurança da Síria, as principais barreiras à coalizão liderada pelos EUA para derrotar o Daesh e Al-Qaeda (organizações terroristas proibidas na Rússia e em vários outros países) minam e perturbam a influência de Washington na região.

    "Em 2020, a Rússia e a China exportaram crises regionais em curso, as necessidades de infraestrutura financeira, a percepção do declínio do envolvimento dos EUA, e as oportunidades criadas pela COVID-19 para avançar seus objetivos em todo o Oriente Médio", disse McKenzie.

    A China importa atualmente cerca da metade do petróleo bruto da região, e continuará expandindo suas relações econômicas e comerciais com os países da região, acrescentou o chefe do USCENTCOM.

    EUA e Arábia Saudita

    Os EUA continuarão compartilhando inteligência com a Arábia Saudita para ajudar Riad a se defender das ameaças à sua segurança, mas suspenderão o apoio a qualquer operação ofensiva no Iêmen, relatou McKenzie.

    "Houve uma série de ataques lançados do Iêmen contra a Arábia Saudita nas últimas semanas. Ajudaremos os sauditas a se defenderem desses ataques, dando-lhes inteligência quando pudermos sobre eles. O que não vamos fazer é ajudá-los a continuar a conduzir operações ofensivas no Iêmen", advertiu Kenneth McKenzie.

    Ele acrescentou que o interesse dos EUA no Iêmen é, antes de tudo, contra o terrorismo, sublinhando que o apoio à coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen tornou-se extremamente limitado.

    O presidente norte-americano Joe Biden anunciou na quinta-feira (4) que os Estados Unidos estavam acabando com apoio às operações ofensivas lideradas pela Arábia Saudita no Iêmen, mas que continuariam a defender seu aliado contra outras ameaças.

    Biden também se comprometeu a intensificar os esforços diplomáticos para resolver o conflito por meios pacíficos, e nomeou o diplomata veterano Timothy Lenderkin como seu enviado especial para o Iêmen.

    Na sexta-feira (5), o Ministério das Relações Exteriores da Arábia Saudita disse que saudava a postura dos EUA de ajudar a resolver a crise no Iêmen por meios políticos.

    Mais:

    Comboios de 59 veículos com equipamentos para militares dos EUA entram na Síria, diz mídia
    Se Biden se amparar nos 'fracassos' de Trump, EUA terão ainda mais fiascos, diz chanceler iraniano
    'Agentes não estatais' afegãos foram pagos pela China para atacar militares dos EUA, afirma mídia
    Rússia diz que plano dos EUA de reativar sanções contra Irã 'fracassará'
    Tags:
    Rússia, EUA, China, Oriente Médio, CENTCOM, Comando Central dos EUA, Kenneth McKenzie, Daesh, Al-Qaeda, COVID-19, Arábia Saudita, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar