22:14 20 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1211
    Nos siga no

    Secretário de Estado norte-americano afirma que o Irã poderia produzir "em semanas" material suficiente para a produção de uma arma por fissão nuclear.

    Para voltar ao Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), não bastará a assinatura do novo presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Saeed Khatibzadeh.

    "O retorno dos EUA ao acordo nuclear não acontecerá automaticamente, eles saíram com uma assinatura, mas não podem voltar novamente com uma assinatura. O mais importante é o levantamento das sanções", comentou Khatibzadeh durante coletiva, citado pela agência Bloomberg nesta segunda-feira (1º).

    As observações de Khatibzadeh são um sinal para o governo do presidente dos EUA de que o Irã espera que Washington cancele as sanções junto com a restauração total da resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), que substancia o acordo. O oficial afirmou que o país também rejeita a possibilidade de expandir o acordo nuclear.

    Representantes da União Europeia, EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Rússia, China e Irã durante as negociações sobre o acordo nuclear com o Irã, em Viena (foto de arquivo)
    © AFP 2021 / Joe Klamar
    Representantes da União Europeia, EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Rússia, China e Irã durante as negociações sobre o acordo nuclear com o Irã, em Viena (foto de arquivo)

    Imbróglio nuclear

    Em 2015 o Irã, China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e União Europeia assinaram o JCPOA, estipulando o cancelamento das sanções internacionais aplicadas a Teerã em troca da redução do programa nuclear iraniano. O acordo foi consagrado na Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU.

    Em 2018, os EUA saíram unilateralmente do acordo nuclear, voltando a impor sanções ao Irã, às quais este último respondeu abandonando gradualmente seus próprios compromissos estipulados no acordo.

    Em 4 de janeiro de 2021, Teerã anunciou que aumentaria o enriquecimento de urânio para 20%, nível anterior à assinatura do JCPOA, que fixava o percentual máximo deste indicador em 3,67%.

    Nesta segunda-feira (1º), o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, afirmou que o Irã poderia produzir "em semanas" material suficiente para a produção de uma arma por fissão nuclear caso continue a violar os termos do acordo nuclear.

    Mais:

    Secretário de Estado dos EUA diz que o Irã deve dar o 1º passo para reiniciar o acordo nuclear
    Irã volta a ameaçar Israel com destruição caso Tel Aviv 'cometa erros'
    Irã revela plano para instalar 1.000 centrífugas avançadas para enriquecimento de urânio em Natanz
    Irã anuncia que vacina desenvolvida no país é eficaz contra a cepa britânica da COVID-19
    Tags:
    Joe Biden, JCPOA, pacto nuclear, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar