02:38 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2172
    Nos siga no

    O porta-voz da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do Parlamento do Irã, Abolfazl Amouei, afirmou nesta terça-feira (19) que, em relação à nova administração Biden, o país aplicará uma política de "ação contra ação".

    "De acordo com o ministro das Relações Exteriores Zarif, nossa política em relação à administração Biden seria 'ação contra ação'", afirmou Amouei, citado pela agência de notícias Mehr.

    Além disso, Zarif apresentou à Comissão um relatório sobre as mais recentes ações na política interna dos EUA, bem como uma previsão sobre a futura política externa norte-americana.

    "Zarif enfatizou que nossa política diante do governo Biden é 'ação contra ação' e que o Irã não aceitará ações contra declarações ou assinaturas", declarou Amouei.

    No mesmo dia de manhã, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas do Irã, major-general Mohammad Hossein Baqeri, reagiu às ações recentes dos EUA na zona, afirmando que enviar dois bombardeiros B-52 à região da Ásia Ocidental não traz nenhum benefício operacional, e que o Irã está preparado para responder a quaisquer ameaças.

    No dia 17 de janeiro, comentando o voo dos bombardeiros norte-americanos, Zarif afirmou que o Irã "não iniciou uma guerra há mais de 200 anos", mas que a nação agirá contra qualquer agressor.

    O Comando Central dos EUA (CENTCOM, na sigla em inglês), relatou neste domingo (17) que os dois bombardeiros B-52 estavam conduzindo uma "segunda patrulha de presença do Oriente Médio em 2021, como parte fundamental da postura defensiva do CENTCOM". A patrulha é a quinta na região nos últimos meses.

    No mesmo dia, a mídia israelense relatou que dois bombardeiros estratégicos B-52 Stratofortress norte-americanos sobrevoaram o espaço aéreo de Israel, em direção ao golfo Pérsico.

    No final de dezembro, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, sinalizou que a República Islâmica está pronta para defender sua "segurança e interesses vitais" em meio ao aumento da presença militar dos EUA perto das fronteiras do país. Ele acusou Washington de desperdiçar pesadas somas para enviar repetidamente bombardeiros B-52 à região, em vez de se concentrar na luta contra a COVID-19.

    As tensões Teerã-Washington têm vindo a aumentar desde o início de janeiro de 2020, quando o major-general iraniano Qassem Soleimani foi assassinado em um ataque de drones autorizado pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

    Mais:

    Vingança final do Irã pela morte de Soleimani seria expulsão dos EUA do Oriente Médio, diz analista
    Irã não iniciará guerra, mas 'é capaz de converter porta-aviões dos EUA em submarinos', diz general
    EUA acusam Irã de 'extorsão nuclear' após declaração de enriquecimento
    Tags:
    Joe Biden, geopolítica, política, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar