16:15 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6614
    Nos siga no

    Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, os ataques aéreos de Israel, realizados na quarta-feira (13) no leste do país árabe, mataram 57 integrantes das forças governamentais sírias e aliados iranianos.

    Realizados na quarta-feira (13), os ataques noturnos israelenses contra depósitos de armas e posições militares na Síria mataram 14 soldados sírios, 16 combatentes de milícia iraquiana e 11 membros afegãos da Brigada Fatimid, que é pró-Irã. Sobre os restantes 16 mortos, ainda nada se sabe sobre suas nacionalidades, informa o The Guardian.

    "Este é o número de mortes mais elevado resultante de ataques de Israel à Síria", declarou Rami Abdul Rahman, diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos, citado pela mídia britânica.

    Na quarta-feira (13), a agência estatal síria SANA relatou que "o inimigo israelense conduziu ataque aéreo na cidade de Deir ez-Zor e na região de Al-Bukamal", e acrescentou que "os resultados da agressão estão sendo verificados". Já do lado de Israel, um porta-voz do Exército israelense se recusou a comentar o assunto.

    Soldados israelenses preparam seus tanques Merkava para ação nas Colinas de Golã, na fronteira entre Israel e Síria, enquanto região vive tensões após confrontos
    © AP Photo / Ariel Schalit
    Soldados israelenses preparam seus tanques Merkava para ação nas Colinas de Golã, na fronteira entre Israel e Síria, enquanto região vive tensões após confrontos

    Faz menos de uma semana desde a última onda de ataques israelenses na Síria. Na quinta-feira (7), Israel lançou ataque aéreo a posições no sul e na periferia sul de Damasco, matando três combatentes pró-Irã.

    Na verdade, Israel realiza ataques frequentes na Síria, principalmente contra alvos ligados ao Irã, justificando ser uma tentativa de impedir que o seu arqui-inimigo consolide um ponto de apoio em sua fronteira norte.

    O governo de Donald Trump, que deverá ceder lugar a Joe Biden em 20 de janeiro, apoiou fortemente o governo de Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelense.

    "Nos últimos dias do governo Trump, Netanyahu está tentando causar o máximo de danos possíveis aos esforços do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica [IRGC, na sigla em inglês] na Síria antes que Biden tome posse", afirmou Nicholas Heras, do Instituto de Estudos da Guerra, citado pelo jornal.
    Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu após a assinatura do documento que reconhece a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã
    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu após a assinatura do documento que reconhece a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã

    Israel tem conduzido centenas de ataques aéreos e com mísseis contra a Síria desde o início da guerra civil no país em 2011, tendo como alvo as forças iranianas e libanesas do grupo Hezbollah, bem como as forças do governo sírio.

    Vale relembrar que, até hoje, a guerra na Síria resultou na morte de mais de 387 mil pessoas e deslocou milhões de sírios pelo mundo.

    Mais:

    Entre Irã e Israel: retirada do embargo pode consolidar Qatar como intermediador no Oriente Médio
    Vai receber fúria de Biden? Israel anuncia construção de mais casas na Cisjordânia
    'Serviços de segurança da Rússia controlaram ameaças vindas da Síria', diz Putin
    Tags:
    direitos humanos, Oriente Médio, guerra civil, Irã, Israel, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar