22:18 10 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2302
    Nos siga no

    Na quinta-feira (31), o Pentágono anunciou que o grupo de ataque de porta-aviões liderado pelo USS Nimitz, o único porta-aviões dos EUA no Oriente Médio, deixaria a região após quase dez meses.

    O comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês), major-general Hossein Salami, afirmou que o Irã não se preocupa com qualquer potência estrangeira, ressaltando estar preparado para defender independência iraniana.

    "O Irã não tem preocupações. Nós estamos prontos para defender nossa independência, nossos interesses vitais e nossas conquistas da nossa grande Revolução, como demonstramos nos últimos 41 anos", afirmou Salami, citado pelo jornal Tasnim. 

    "Hoje, não temos problemas, preocupações nem inquietações para enfrentar qualquer potência militar", enfatizou.

    USS Nimitz (CVN 68) navega ao lado do porta-aviões destacado da Marinha dos EUA USS Ronald Reagan (CVN 76, não está na foto) no mar do Sul da China, 6 de julho de 2020
    © AP Photo / Kimani J. Wint / Marinha dos EUA
    Porta-aviões USS Ronald Reagan e USS Nimitz dos EUA no mar do Sul da China

    Além do mais, o major-general iraniano sugeriu que a recente decisão dos EUA de fortalecer as atividades militares no golfo Pérsico e no mar de Omã está ligada ao "grande erro" de assassinar o major-general Qassem Soleimani, comandante da Força Quds, e ao medo de uma possível reação iraniana no aniversário da morte de Soleimani.

    "O árduo caminho da vingança é o caminho do colapso do regime sionista, da dominação política americana sobre a região e da expulsão dos EUA da região", ressaltou.

    As declarações de Salami surgiram após o anúncio do Pentágono sobre a retirada do porta-aviões USS Nimitz do Oriente Médio.

    A tensão entre Irã e EUA aumentou no dia 20 de dezembro, quando oito foguetes atingiram a Zona Verde de Bagdá, onde fica a embaixada dos EUA.

    Na quinta-feira (31), o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, afirmou que a inteligência do Iraque indicou que EUA estão "conspirando para fabricar um pretexto para a guerra" com o Irã.

    Apresentação do novo míssil balístico iraniano Fateh (foto de arquivo)
    Apresentação do novo míssil balístico iraniano Fateh (foto de arquivo)

    Na quarta-feira (30), o Comando Central dos EUA anunciou o envio de bombardeiros estratégicos B-52H ao Oriente Médio para enfatizar "o compromisso dos militares norte-americanos com a segurança regional".

    Donald Trump, presidente dos EUA, tem perseguido uma política de "pressão máxima" contra o Irã, tendo saído do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) em 2018 e imposto cada vez mais sanções à nação persa ao longo de sua administração, mas perdeu oficialmente as eleições presidenciais de 2020 para o democrata Joe Biden, que se prepara para assumir o cargo em 20 de janeiro de 2021, prometendo reentrar no acordo nuclear.

    Mais:

    Irã espera que os EUA deixem tensões, mas ao mesmo tempo se prepara para 'qualquer cenário'
    Após calote, Irã reduz exportações de gás, e Iraque corre risco de ficar sem energia
    Irã rotula aumento da atividade militar dos EUA no golfo Pérsico como 'show de provocação e medo'
    Tags:
    Golfo Pérsico, tensão política, tensão militar, tensão, míssil, porta-aviões, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar