03:23 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0526
    Nos siga no

    O Corpo de Guardiães da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) implantou mísseis de curto alcance e drones no Iraque, segundo o jornal Al-Qabas, citando fontes iranianas.

    De acordo com as fontes citadas pelo jornal, os mísseis guiados Arash, de curto alcance e de alta precisão implantados no Iraque são de propriedade do IRGC.

    Além disso, drones produzidos pelo Irã também foram posicionados no sul do Iraque, em instalações protegidas e acampamentos de grupos armados próximos do Irã, ressalta o jornal.

    As fontes também afirmam que, nas próximas semanas, o IRGC pode lançar mísseis contra alvos no Iraque e em outros países da região, logo após a saída do cargo do presidente dos EUA, Donald Trump, e a posse de Joe Biden.

    Protótipo do drone iraniano Fotros
    © Foto / Agência de Notícias Tasnim
    Protótipo do drone iraniano Fotros

    De acordo com as fontes, há pouco o comandante da Força Quds do Corpo de Guardiães, Esmail Ghaani, discutiu no Iraque uma possível resposta ao assassinato do principal cientista nuclear iraniano, Mohsen Fakhrizadeh.

    Recentemente, Trump acusou o Irã de atacar a embaixada norte-americana em Bagdá e ameaçou responsabilizar Teerã em caso de baixas norte-americanas.

    No dia 20 de dezembro, a embaixada dos EUA em Bagdá informou que o último ataque de foguetes contra a Zona Verde, que hospeda missões diplomáticas e prédios do governo, infligiu alguns danos menores às suas instalações, enfatizando que o ataque "claramente não tinha a intenção de evitar vítimas" e atribuindo a culpa a um "grupo de milícia rebelde apoiado pelo Irã".

    Mais:

    Ministros de Rússia e Irã se reúnem em Moscou para discutir mercado de petróleo
    Irã afirma que não discutirá novo acordo nuclear
    Pompeo: 'Forças apoiadas pelo Irã estão por trás do ataque mais recente à Zona Verde em Bagdá'
    Tags:
    Irã, míssil, Iraque, drone, EUA, embaixada
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar