01:46 06 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 100
    Nos siga no

    O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, informou que, na sequência do ataque de atiradores, forças foram mobilizadas à região de Benishangul-Gumuz.

    "O massacre de civis na região de Benishangul-Gumuz é muito trágico", escreveu o premiê etíope no Twitter. "Para resolver as causas originárias do problema, o governo mobilizou forças necessárias."

    Segundo a agência estatal de notícias, a Etiópia prendeu cinco funcionários sêniores locais ligados à segurança em Benishangul-Gumuz.

    Na terça-feira (22), mais de 100 civis foram mortos após uma série de ataques de militantes no estado de Benishangul-Gumuz, no oeste da Etiópia, uma área onde vivem muitos grupos étnicos. Os atiradores teriam como alvo membros da comunidade Amhara.

    Conflitos étnicos e religiosos entre etíopes, que têm levado a massacres e deslocamento de cidadãos, são generalizados em todo o país, especialmente na referida região.

    De acordo com as autoridades, todos os conflitos no país têm sido desencadeados pelas atividades da Frente Popular para a Libertação de Tigré (TPFL, na sigla em inglês), partido governante da província de Tigré que se opõe ao governo etíope.

    Mais:

    Forças de Tigré afirmam ter 'destruído completamente' uma divisão do Exército da Etiópia
    Diretor da OMS nega apoio a forças de Tigré e afirma estar 'do lado da paz'
    Rebeldes de Tigré destroem aeroporto regional, diz mídia etíope
    Tags:
    grupos étnicos, África, conflito armado, Etiópia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar