06:37 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7721
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, aconselhou na segunda-feira (21) que o Irã não desperdiçasse a chance de voltar ao acordo nuclear com os EUA, que foi expressa pela administração do presidente eleito Joe Biden.

    Após falar em videoconferência com representantes dos países-membros do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, declarou que o Irã não deveria tomar ações táticas que dificultariam a reversão da decisão de saída do acordo, tomada por Donald Trump, pelo presidente eleito norte-americano Joe Biden.

    "Para tornar possível uma aproximação com os Estados Unidos sob Biden, não deve haver mais manobras táticas vistas em excesso neste ano. Esta chance, esta última janela de oportunidade, não deve ser desperdiçada", afirmou o ministro alemão, citado pela agência Reuters.

    É sabido que os EUA e o Irã nunca tiveram relações muito amigáveis. Contudo, as tensões entre ambos os países voltaram a escalar mais intensamente em 8 de maio de 2018, o dia em que o presidente Donald Trump decidiu, uniletralmente, que os EUA abandonariam o Plano de Ação Conjunto Global. No início de 2020, após o assassinato do major-general Qassem Soleimani, o Irã decretou que também se retiraria do acordo nuclear.

    Porém, com a iminência de uma nova administração na Casa Branca, surgem esperanças de que as duas nações nucleares possam voltar a se comprometer com os princípios do JCPOA, em prol da prevenção da corrida ao armamento nuclear e, logo, da segurança mundial.

    Mais:

    Pompeo: 'Forças apoiadas pelo Irã estão por trás do ataque mais recente à Zona Verde em Bagdá'
    Biden deve buscar solução para crise da Venezuela sem exigir renúncia de Maduro, aponta mídia
    Irã começa construção na usina nuclear de Fordo, diz mídia (FOTO)
    Tags:
    oportunidade, Acordo Nuclear Iraniano, EUA, Irã, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar