08:56 09 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    104
    Nos siga no

    Os contínuos avanços de ataques suicidas e explosões de bombas do Talibã (grupo terrorista proibido na Rússia e outros países) nos últimos três meses resultaram na morte de mais de 480 civis.

    A informação foi veiculada neste sábado (19) por Tariq Arian, porta-voz do Ministério do Interior do Afeganistão.

    "Nos últimos três meses, o Talibã matou 487 de nossos civis e feriu 1.049 outros em 35 ataques suicidas e 507 explosões", disse Arian por meio de um comunicado.

    O porta-voz do Ministério do Interior afegão também acusou o Talibã de cometer crimes de guerra ao atacar civis no país.

    "A morte de civis é um crime de guerra e nunca pode ser justificado", acrescentou Arian.

    Pelo menos 15 civis foram mortos e 20 outros feridos após a explosão de uma bomba na província de Ghazni, no leste do Afeganistão, na sexta-feira (18). Menos de dois meses antes, pelo menos 24 pessoas morreram em um atentado suicida em frente a um centro educacional na capital do país, Cabul.

    Veículo queimado após explosões gêmeas na província de Bamiyan, Afeganistão, 24 de novembro de 2020
    © REUTERS / Reuters TV
    Explosões no Afeganistão

    A violência contínua no Afeganistão segue avançado enquanto o governo afegão e o Talibã realizam negociações de paz na capital do Qatar, Doha. As conversas entre os lados tiveram início em setembro de 2019, após a conclusão de um processo de troca de prisioneiros. As negociações estão atualmente em recesso, com o objetivo de dar a ambos os lados a oportunidade de realizar reuniões internas sobre itens da agenda.

    Mais:

    Administração Biden tem de completar saída de tropas dos EUA do Afeganistão, diz Talibã
    FOTO revela soldado australiano usando prótese de combatente morto do Talibã como copo para bebida
    Soldados australianos são demitidos por festejarem com prótese de militante talibã morto (FOTOS)
    Tags:
    Qatar, Doha, Afeganistão, Talibã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar