08:55 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    053
    Nos siga no

    A companhia de navegação japonesa Nagashiki Shipping baseou sua conclusão nas entrevistas com os marinheiros do navio MV Wakashio, que em 25 de julho encalhou em águas da República de Maurício.

    Sendo proprietária do navio que provocou um grave derrame de petróleo na linha costeira de Maurício, a Nagashiki Shipping anunciou nesta sexta-feira (18) os resultados de sua investigação da ocorrência, para os quais contribuíram as entrevistas com os marinheiros que estariam na embarcação quando o acidente ocorreu, informa a agência Reuters.

    O MV Wakashio, um graneleiro de quase 300 metros de comprimento usado para transportar minério de ferro, encalhou em 25 de julho frente à linha costeira da nação insular de Maurício e em 6 de agosto começou a derramar seu combustível. No total, mais de mil toneladas de petróleo poluíram as águas límpidas do local.

    De momento, a empresa sustenta que o acidente se deveu à negligência de sua tripulação, que mudou a rota da embarcação com o objetivo de se aproximar o suficiente das Ilhas Maurício para conseguir uma boa conexão telefônica. A Nagashiki Shipping declarou que "houve falta de consciência face aos perigos de navegar perto da costa [...] e uma fraca implementação dos regulamentos que se devem observar para se executarem viagens de maneira segura".

    Vista aérea do petroleiro MV Wakashio que encalhou e derramou petróleo nas Ilhas Maurício, agosto 2020
    © AP Photo / Eric Villars
    Vista aérea do petroleiro MV Wakashio que encalhou e derramou petróleo nas Ilhas Maurício, agosto 2020

    A empresa assegurou que também tomará as medidas necessárias para prevenir que acidentes semelhantes voltem a acontecer. Entre elas estão a proibição do uso de celulares pessoais durante o horário de trabalho e a instalação de sistemas de comunicação de alta velocidade em todas suas embarcações.

    Os trabalhos de limpeza do mar e coleta do petróleo vazado ainda se encontram em curso no local do derrame, tendo como objetivo recuperar as condições ecológicas prévias ao acidente. De acordo com a Nagashiki Shipping, sua tarefa deverá estar pronta em janeiro do próximo ano.

    Mais:

    Empresa mais citada na Lava Jato, Odebrecht anuncia mudança de nome: Novonor
    'Canções de sereia': o que significa cotação de água em Wall Street?
    Irã colocará em serviço oleoduto que contorna estreito de Ormuz para exportar petróleo em 2021
    Tags:
    Maurício, acidente ambiental, petróleo, ecologia, navio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar