05:08 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    171
    Nos siga no

    O movimento de independência do Saara Ocidental, a Frente Polisário, condenou nesta quinta-feira (10) a declaração do presidente dos Estados Unidos, que apoia o domínio marroquino na região disputada.

    "A [Frente] Polisário e o governo saarauí condenam nos mais duros termos o fato de o presidente americano em fim de mandato, Donald Trump, atribuir ao Marrocos algo que não lhe pertence", nomeadamente a soberania sobre a ex-colônia espanhola, afirmou o Ministério da Informação saarauí em nota enviada para a agência AFP.

    A Frente Polisário é um movimento de independência apoiado pela Argélia que detém um quinto do Saara Ocidental e fez campanha para a realização de uma votação sobre autodeterminação durante décadas de guerra e impasse.

    Trump, cujo mandato termina em janeiro, disse hoje (10) que concordou em reconhecer a soberania marroquina sobre o território disputado, ao mesmo tempo em que anunciou que o Marrocos estava normalizando as relações com Israel.

    "A decisão de Trump não muda nada em termos jurídicos sobre a questão do Saarauí porque a comunidade internacional não reconhece a soberania marroquina sobre o Saara Ocidental", disse a Frente Polisário na nota.

    "Constitui uma violação flagrante da Carta da ONU [...] e dos princípios fundadores da União Africana, e dificulta os esforços da comunidade internacional para encontrar uma solução pacífica para o conflito entre a República Saarauí e o Reino do Marrocos", acrescentou o movimento independentista.

    A Organização das Nações Unidas, por sua vez, disse hoje (10) que sua posição "não mudou" sobre a região disputada, após a ação dos EUA.

    O secretário-geral da ONU, o português António Guterres, acredita que "a solução para a questão ainda pode ser encontrada com base nas resoluções do Conselho de Segurança", conforme se pronunciou a sua porta-voz, Stéphane Dujarric, segundo a AFP.

    Em seu comunicado, a Frente Polisário exortou a ONU e a União Africana a "pressionarem o Reino de Marrocos para que ponha termo à ocupação do Saara Ocidental".

    As tensões entre o Marrocos e a Frente Polisário aumentaram novamente no mês passado. Um cessar-fogo que vigorava há décadas ruiu em meados de novembro depois que o Marrocos disse que havia enviado tropas para "a terra de ninguém" com o objetivo de reabrir uma estrada para a vizinha Mauritânia.

    Por outro lado, as negociações lideradas pela ONU entre os dois lados, que incluíram Argélia e Mauritânia, fracassaram meses antes do rompimento do cessar-fogo.

    Mais:

    Egito valoriza passo importante para normalização de laços entre Marrocos e Israel
    Saara Ocidental em disputa: ONU prepara nova proposta para retomar negociações
    Em nota, Itamaraty rechaça violência no Saara Ocidental
    Tags:
    ONU, EUA, Marrocos, Saara Ocidental
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar