13:38 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2721
    Nos siga no

    Mohsen Fakhrizadeh, cientista nuclear e de mísseis iraniano, foi assassinado em 27 de novembro. Teerã acusou Israel pelo ataque, mas Tel Aviv não fez nenhuma declaração formal sobre o assunto.

    Desde esse dia, as autoridades israelenses e norte-americanas temem pela possível retaliação iraniana.

    O Canal 12 de Israel forneceu a seus telespectadores revelações sobre como a subunidade do Mossad (serviço secreto israelense) responsável por organizar assassinatos no exterior faz seu trabalho, citando dois veteranos da agência e um importante especialista do serviço de inteligência israelense.

    Complexo processo de matar

    Dr. Ronen Bergman, um jornalista investigativo e autor conhecido por sua pesquisa sobre o Mossad, disse ao canal de televisão que planejar assassinatos é um processo "delicado" que envolve um elemento de burocracia e semanas, ou mesmo meses, de planejamento cuidadoso.

    "Se até aquele ponto [o Mossad estava] coletando informações sobre o alvo por qualquer motivo – terrorismo, construção de armas nucleares – agora eles precisam compilar um arquivo completamente diferente que lhes permita realizar o ataque. Por exemplo, o que ele faz em sua rotina diária, com quem está, se ele tem guarda-costas, que tipo de carro ele dirige, blindado, não blindado", explicou Bergman.

    Victor Ostrovsky, um ex-agente de origem canadense do Mossad, confirmou que "um assassinato é uma das operações mais complicadas que existe, porque você está misturando muitos elementos que não têm a capacidade de se comunicarem".

    "Existe o próprio operador, que dirige o atacante, ou atacantes. Depois, há os agentes de campo que estão coletando informações, mas não sabem para quê. Você não quer uma situação em que um cai e todos eles caem como dominós", disse Ostrovsky.

    Manifestantes queimam bandeiras dos EUA e Israel em ato de repúdio ao assassinato de Mohsen Fakhrizadeh, Teerã, Irã, 28 de novembro de 2020
    © REUTERS / Agência WANA
    Manifestantes queimam bandeiras dos EUA e Israel em ato de repúdio ao assassinato de Mohsen Fakhrizadeh, Teerã, Irã, 28 de novembro de 2020

    Ram Ben-Barak, ex-vice-diretor da Mossad, apontou que o planejamento de assassinatos requer "coordenação entre as forças, logística e, principalmente, inteligência em que você pode confiar".

    Relativamente às operações "pote de mel", as quais envolvem atrair homens para a morte usando mulheres, Ben-Barak afirma que tais táticas eram também uma opção. "Os homens tendem a se sentir lisonjeados pelas mulheres. Mesmo quando não há correlação entre o homem e a mulher que está flertando com ele, ele nunca pensa que 'algo não está certo'. Ele sempre se sentirá lisonjeado e deixará que isso aconteça", explicou.

    Bergman concluiu dizendo que, em suas operações anteriores, o Mossad fez um "grande esforço para garantir que não houvesse danos colaterais", isto é, mortes de civis inocentes.

    A questão moral

    Apesar de aplaudir a morte de Fakhrizadeh, Bergman admitiu que matar um cientista nuclear foi "muito mais complicado" do ponto de vista ético, porque "ele nunca matou ninguém". Mas, "por outro lado, você tem que dizer que ele não era um 'pequeno parafuso'; ele é o chefe do sistema" acrescentou.

    Ostrovsky afirma não haver nada de errado com o assassinato, dizendo ao Canal 12 que seria um erro "dizer que não há sangue nas mãos de uma pessoa que constrói o processo de criação de bombas atômicas"

    Membros das forças iranianas levam o caixão do cientista nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi durante a cerimônia fúnebre em Teerã
    © REUTERS / Agência de notícias WANA
    Membros das forças iranianas levam o caixão do cientista nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi durante a cerimônia fúnebre em Teerã
    Ben-Barak também aprovou o assassinato, dizendo que "as pessoas que estão lidando com coisas proibidas precisam saber que também podem ser atingidas".

    Altos funcionários israelenses afirmaram repetidamente que Fakhrizadeh era o chefe de um programa clandestino de armas nucleares iranianas, com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu clamando à comunidade internacional para "lembrar" o nome do cientista em uma apresentação de 2018 que tinha o objetivo de convencer o presidente dos EUA Donald Trump a abandonar o acordo nuclear com o Irã.

    Porém, as autoridades iranianas rejeitaram as alegações de Israel sobre as atividades nucleares de Teerã, sugerindo que seu programa nuclear era estritamente civil, e apontando para o status de Israel como o único Estado com armas nucleares no Oriente Médio.

    Israel em silêncio enquanto o Irã ameaça vingança

    Tel Aviv ainda não fez nenhuma declaração formal sobre o assassinato de Fakhrizadeh. Na quarta-feira (2), o embaixador israelense na Rússia, Ben Zvi, reclamou que toda vez que algo ruim acontece no Irã, Israel é responsabilizado. O enviado acrescentou que Israel "não pode tolerar" as supostas ambições do Irã com armas nucleares, e disse que "espera" que o Irã "entenda esse ponto".

    Na semana passada, um funcionário israelense anônimo, supostamente envolvido no rastreamento dos movimentos de Fakhrizadeh, disse ao The New York Times que Israel deveria ser "agradecido" por assassinar o cientista, chamando-o de "ameaça".

    Altos responsáveis iranianos, incluindo o presidente Hassan Rouhani e o ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, acusaram Israel de envolvimento na morte de Fakhrizadeh quase imediatamente após o ataque, exigindo que o assassinato fosse condenado e ameaçando se vingar.

    Presidente do Irã, Hassan Rouhani, visita as instalações nucleares de Bushehr (foto de arquivo)
    © AP Photo / Mohammad Berno
    Presidente do Irã, Hassan Rouhani, visita as instalações nucleares de Bushehr (foto de arquivo)

    "Responderemos ao assassinato do mártir Fakhrizadeh em tempo adequado. A nação iraniana é mais inteligente do que cair na armadilha dos sionistas. Eles estão pensando em criar o caos" disse Rouhani em seu comunicado sobre o assunto.

    Representantes oficiais e mídia israelenses especulam que a resposta do Irã ao assassinato em questão pode incluir ataques a missões diplomáticas israelenses, ataques de mísseis, ou ataques envolvendo "representantes" do Irã nas fronteiras de Israel. Na quinta-feira (3), o Conselho de Segurança Nacional de Israel alertou que israelenses que vivem em países próximos ao Irã podem ser alvos.

    Mais:

    Jovem palestino morre em confrontos com militares israelenses na Cisjordânia
    Irã está 'desesperadamente' sinalizando desejo de voltar às negociações, diz Pompeo
    'Não se pode confiar na América': como o Irã vai reagir ao assassinato de seu cientista nuclear?
    Tags:
    Oriente Médio, serviços secretos, assassinato, Irã, Israel, Mossad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar