10:59 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0322
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (1º), o Parlamento iraniano aprovou um projeto de lei para impulsionar a atividade do setor da energia nuclear, afirma agência local.

    A normativa, ratificada com 251 votos a favor, contempla a produção e o armazenamento de 120 quilos de urânio a 20% (o urânio com enriquecimento superior a 20% é considerado de uso militar), revela a agência Fars.

    O projeto de lei autoriza a produção de ao menos 500 quilos de urânio de baixo enriquecimento por mês. Atualmente, o Irã enriquece urânio acima dos 3,67% previstos pelo Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), acordo que assinou em julho de 2016 com o grupo 5+1 (Estados Unidos, China, França, Reino Unido, Rússia e mais Alemanha).

    Os parlamentares iranianos indicaram que o projeto de lei supõe a ativação das avançadas centrifugadora de que o país dispõe.

    A normativa implica, além disso, a construção de um novo reator de água pesada de 40 MW para produzir radioisótopos destinados à medicina.

    Reator atômico na usina nuclear de Bushehr, no sul do Irã (foto de arquivo)
    © AFP 2021 / Atta Kenare
    Reator atômico na usina nuclear de Bushehr, no sul do Irã (foto de arquivo)

    Vários meios salientaram que o texto obriga o governo a suspender por dois meses o acesso às instalações nucleares que não fazem parte dos acordos com a Organização Internacional de Energia Atômica (OIEA).

    Segundo a nova lei, o Executivo deve deixar de seguir o protocolo se o Irã não conseguir normalizar as operações bancárias com a Europa e a exportação de petróleo para essa região.

    Mais:

    Irã promete resposta 'calculada e precisa' ao assassinato de cientista nuclear
    EUA enviam navios ao golfo Pérsico, excluindo conexão com assassinato de cientista no Irã, diz mídia
    Parceria entre Brasil e Argentina em energia nuclear mostra maturidade dos países, defende ABDAN
    Tags:
    Irã, nuclear, lei, parlamento, acordo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar