13:42 16 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2131
    Nos siga no

    Os governos de Jordânia e Emirados Árabes Unidos (EAU) reprovaram neste domingo (29) o assassinato do cientista nuclear iraniano, Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, que Teerã afirma ter sido cometido por Israel.

    Em um comunicado divulgado no Twitter pela agência oficial da Jordânia, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país, o embaixador Dhaifallah Al-Fayez, condenou o assassinato do cientista nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh em Teerã e enfatizou a necessidade de que todos façam esforços para reduzir a tensão, evitar uma escalada na região e proteger a segurança e a estabilidade do Oriente Médio.

    Os Emirados Árabes Unidos, por sua vez, também emitiram uma nota através de sua agência oficial, a WAM, na qual o Ministério de Relações Exteriores e Cooperação Internacional assinalou que "condena o hediondo assassinato de Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, que pode levar a um conflito crescente na região".

    EAU condenam assassinato de Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi.

    A chancelaria dos Emirados Árabes acrescentou que o estado de instabilidade e os desafios de segurança que a região enfrenta obrigam todos a trabalhar para evitar ações que aumentem e ameacem a estabilidade.

    Na sexta-feira (27), Mohsen Fakhrizadeh foi assassinado na região de Damavand, no norte do Irã. O presidente iraniano, Hassan Rouhani, acusou Israel de envolvimento na morte do o cientista nuclear, enquanto o líder supremo do país persa, o aiatolá Ali Khamenei, prometeu punição aos responsáveis.

    Mais:

    EUA enviam navios ao golfo Pérsico, excluindo conexão com assassinato de cientista no Irã, diz mídia
    Governo de Israel aprova acordo para normalizar relações com Emirados Árabes Unidos
    'Perigo sem precedentes': chanceler da Jordânia alerta sobre planos de Israel na Cisjordânia
    Tags:
    cientistas, assassinato, Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar