15:47 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 46
    Nos siga no

    O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, ordenou uma "ofensiva final" na capital da região de Tigré, após expirar seu ultimato de 72 horas para que líderes locais dissidentes se rendessem.

    O chefe da Comissão Etíope de Direitos Humanos (EHCR, na sigla em inglês) disse hoje (26), que "grande cuidado para evitar danos civis é a maior importância, agora, nesta fase do conflito", citado no The Guardian.

    Em um comunicado publicado nas redes sociais, o primeiro-ministro etíope afirmou que esforços seriam feitos pelas forças governamentais para garantir que a cidade-capital de Mekelle, com uma população de 500 mil, não seja "severamente danificada".

    "Apelamos ao povo de Mekelle e arredores para se desarmar, ficar em casa e longe de alvos militares, [e] fazer a sua parte na redução dos danos sofridos por causa de um punhado de elementos criminosos", disse Ahmed.

    No início desta semana, oficiais militares alertaram que "não [teriam] misericórdia" se os residentes de Mekelle não se distanciassem do partido governante local, a Frente Popular para a Libertação de Tigré (TPLF, na sigla em inglês).

    Membro da Frente Popular de Libertação de Tigré vota nas eleições parlamentares regionais, Mekelle, Etiópia, 9 de setembro de 2020
    © AP Photo / Não Especificado
    Membro da Frente Popular de Libertação de Tigré vota nas eleições parlamentares regionais, Mekelle, Etiópia, 9 de setembro de 2020
    Debretsion Gebremichael, o líder da TPLF, disse na terça-feira (24) que seu povo estava "pronto para morrer" defendendo sua pátria.

    Abiy lançou a campanha militar contra a TPLF em 4 de novembro, acusando-a de atacar campos militares na região norte e de tentar desestabilizar o país.

    Autoridades em Addis Abeba, capital da Etiópia, descrevem a ofensiva em Tigré como uma "operação de aplicação da lei" com o objetivo de remover líderes rebeldes "traidores" e restaurar a autoridade central. Por outro lado, a TPLF afirma que está defendendo seus direitos legítimos sob o sistema constitucional descentralizado da Etiópia.

    Consequências e difícil intervenção humanitária

    Até a data, o conflito provocou centenas de mortes (se não milhares) e fez com que cerca de um milhão de pessoas ficassem desalojadas. Pelo menos um massacre ocorreu, com denúncias de atrocidades feitas pelos dois lados.

    Com a falha dos esforços de última hora provenientes da União Africana e das Nações Unidas (ONU) para neutralizar a crise, Abiy rejeitou na quarta-feira (25) a "interferência" internacional.
    Conflito na região de Tigré, na Etiópia, começa a provocar onda de refugiados em direção ao Sudão
    © REUTERS / Tiksa Negeri
    Conflito na região de Tigré, na Etiópia, começa a provocar onda de refugiados em direção ao Sudão

    Os bloqueios de viagens são tão severos que mesmo dentro de Mekelle, o Programa Mundial de Alimentos da ONU não conseguiu transportar alimentos de seus armazéns para cidade. Adicionalmente, a mesma ONG relatou pessoas fugindo de Mekelle, mas com o corte nas comunicações, não está claro quantos residentes estão cientes do ataque iminente.

    Na verdade, as comunicações e ligações de viagens continuam cortadas com a região do conflito desde seu início e a Human Rights Watch (Observatório dos Direitos Humanos, na tradução) está alertando que "ações que impeçam deliberadamente o fornecimento de ajuda humanitária" violam o Direito Internacional Humanitário.

    Mais:

    Rebeldes de Tigré destroem aeroporto regional, diz mídia etíope
    Etiópia está 'pronta para usar tanques' a fim de recuperar cidade ocupada por rebeldes
    Sudão afirma que já recebeu 36 mil refugiados da Etiópia
    Tags:
    União Africana, ONU, refugiados, conflito armado, África, Etiópia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar