08:44 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1414
    Nos siga no

    Donald Trump fez a promessa eleitoral de pôr fim às "guerras intermináveis" e, em fevereiro, sua administração acordou com o Talibã a saída de tropas norte-americanas do Afeganistão.

    O Comando Central dos EUA enviou bombardeiros B-52 para o Oriente Médio, fortalecendo a presença estratégica da sua Força Aérea na região como meio de "deter a agressão e tranquilizar os parceiros e aliados dos EUA", anunciou o exército em um comunicado no sábado (22).

    Greg Guillot, tenente-general e comandante da 9ª Força Aérea dos EUA, informou na declaração que a missão foi realizada por tripulações aéreas "em cima da hora".

    "A capacidade de deslocar rapidamente forças para o interior, para fora e ao redor do teatro de operações, a fim de apreender, reter e explorar a iniciativa, é fundamental para dissuadir uma possível agressão", disse ele.

    "Estas missões ajudam as tripulações de bombardeiros a se familiarizarem com o espaço aéreo e as funções de comando e controle da região, e permitem que elas se integrem com os recursos aéreos do teatro de operações americano e dos parceiros, aumentando a prontidão geral da força combinada".

    Esta missão coincidiu com a presença no sábado (22) de Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, em uma nova rodada de negociações de paz entre o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em muitos outros países) e o governo do Afeganistão, realizada no Qatar.

    Na terça-feira (17), foi noticiado que Trump planeja retirar mais tropas norte-americanas da região até 15 de janeiro de 2021, reduzindo ainda mais o contingente presente no Afeganistão. No momento, o número de militares norte-americanos é de aproximadamente 3.000 no Iraque e 4.500 no Afeganistão.

    Durante sua campanha presidencial de 2016, Trump fez a promessa de pôr fim às "guerras intermináveis" travadas pelos americanos no exterior, prometendo retirar ao menos parte das tropas americanas estacionadas no Iraque e no Afeganistão.

    Trump fez um acordo com o Talibã afegão em fevereiro de 2020, iniciando logo em seguida a retirada das tropas dos EUA do território.

    De acordo com a declaração do Pentágono, a última vez que os bombardeiros B-52 voaram para o Oriente Médio foi no início de 2020.

    Mais:

    Bombardeiros B-52 dos EUA simulam ataque aéreo à 'fortaleza russa no Báltico', escreve Forbes
    Bombardeiros nucleares dos EUA passam a poucos quilômetros da Crimeia
    Grécia acusa Turquia de obstruir escolta de bombardeiro B-52 dos EUA durante exercícios da OTAN
    EUA afirmam que seus porta-aviões 'não estão intimidados' com 'assassinos' da China (FOTOS)
    Tags:
    Exército dos EUA, Comando Central dos EUA, Força Aérea dos EUA, Força Aérea, Mike Pompeo, Donald Trump, Talibã, Pentágono, Afeganistão, Oriente Médio, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar