08:50 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 80
    Nos siga no

    Trata-se de uma nova povoação conquistada por Adis Abeba, que conduz uma ofensiva à capital da região, detida por forças rebeldes.

    O governo da Etiópia disse no sábado (21) que seus militares tomaram outra localidade, Adigrat, na região de Tigré, a 116 quilômetros de Mekelle, sua capital, informa a agência Reuters.

    O governo de Adis Abeba, cidade localizada 898 quilômetros ao sul de Adigrat, procura derrotar as forças rebeldes da Frente Popular para a Libertação de Tigré (TPLF, na sigla em inglês) nessa região. Não houve resposta imediata por parte dos rebeldes.

    O governo federal acusa a TPLF, que controla a região, de atacar uma base militar local, chamando os rebeldes de "junta militar".

    Segundo Alemayehu Tegenu, embaixador da Etiópia na Rússia, mesmo com "notícias e informações falsas difundidas nas redes sociais, e até mesmo na grande mídia" sobre o conflito, a operação foi conduzida com "o máximo cuidado para proteger os civis" na região.

    Tegenu acusou a TPLF de "tentar escapar da responsabilidade pelo crime genocida que cometeu tanto na Força de Defesa Nacional Etíope quanto na população civil em Mai-Kadra".

    Também no sábado (21), os rebeldes disseram que nove civis morreram como resultado de um assalto das tropas governamentais a Adigrat.

    Reuters tentou verificar a informação, mas o governo e os militares não puderam ser imediatamente contactados para comentar a situação, contudo, anteriormente negaram ter civis como alvo.

    Na última semana, o grupo rebelde disparou foguetes contra a vizinha Eritreia, alegando que militares desse país foram destacados e estavam lutando contra a TPLF ao longo da fronteira.

    Devido às linhas telefônicas e Internet estarem em baixo desde o início do conflito em 4 de novembro, é difícil verificar as afirmações de cada lado.

    Mark Lowcock, o subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários e coordenador de Ajuda de Emergência, expressou anteriormente suas preocupações sobre a situação humanitária no norte da Etiópia.

    "Peço acesso total para alcançar as pessoas necessitadas onde quer que estejam, passagem segura para os civis que procuram assistência e a segurança dos trabalhadores humanitários", disse.

    Mais:

    Forças de Tigré acusam governo etíope de atacar universidade
    Exército etíope acusa chefe da OMS de favorecer o povo tigré
    Sudão afirma que já recebeu 36 mil refugiados da Etiópia
    Guerra civil ameaça 'milagre econômico' do 2º país mais populoso da África
    Tags:
    Eritreia, Rússia, Etiópia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar