21:44 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    51328
    Nos siga no

    As Forças de Defesa de Israel (FDI) informaram nesta quinta-feira (19) que seus aviões de guerra lançaram ataques contra a Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã (IRGC, na sigla em inglês) e alvos do Exército Sírio, na manhã de quarta-feira (18), na Síria.

    A mídia síria relatou que vários mísseis israelenses disparados da direção das Colinas de Golã foram abatidos, enquanto os restantes acabaram matando vários militares.

    A conta oficial dos militares israelenses no Twitter emitiu uma advertência a Teerã, alertando a república islâmica de que estava sendo "observada", e que a inteligência israelense "pode confirmar que a unidade 840 da Força Quds iraniana, que faz parte da rede global terrorista do Irã, foi responsável pelos ataques com dispositivos explosivos improvisados na fronteira Israel-Síria esta semana, e em agosto de 2020".

    Irã, estamos de olho em vocês. A inteligência das FDI pode confirmar que a Unidade 840 da Força Quds iraniana, que faz parte da rede global de terror do Irã, foi responsável pelos ataques IED na fronteira entre Israel e Síria esta semana e em agosto de 2020.

    Não permitiremos que o Irã se entrincheire na Síria.

    Anteriormente, o Twitter das FDI postou o que chamou de "filmagem operacional" dos últimos ataques israelenses contra alvos do Exército 'iraniano' e sírio, na Síria, acompanhando fotos divulgadas anteriormente com o propósito de mostrar os alvos que foram atingidos.

    Filmagem da operação: o momento em que nossos caças atingiram alvos militares pertencentes à Força Quds iraniana e Forças Armadas Sírias, na Síria, na noite passada [17 de novembro], horas depois de expormos um ataque sírio liderado pelo Irã.

    Deixe isso ser um aviso: se você atacar Israel, nós nos defenderemos.

    Na manhã de quarta-feira (18), a mídia síria relatou várias explosões em Damasco, caracterizando-as como um ato de "agressão israelense". Tel Aviv, que normalmente não comenta sobre suas operações militares na Síria, Líbano, Iraque e outros lugares, ofereceu uma rara confirmação de que foi responsável pelo ataque, alegando que seus aviões de guerra haviam atingido "alvos Quds iranianos e das Forças Armadas da Síria".

    Israel afirmou que os ataques de quarta-feira (18) danificaram armazéns, instalações militares, e baterias de mísseis terra-ar. A Síria informou que suas defesas aéreas repeliram o ataque, mas admitiu que três de seus soldados foram mortos e outro ferido, com "algumas perdas materiais" também sofridas.

    Israel realiza regularmente ataques em solo sírio, alegando que as suas operações visam combater o entrincheiramento das forças "iranianas", ou "apoiadas pelo Irã", na república árabe.

    Por sua vez, o governo sírio condena regularmente Tel Aviv pelas suas ações, enfatizando que é direito soberano de Damasco estacionar quaisquer forças estrangeiras que quiser em seu próprio território, acrescentando que a presença militar do Irã é limitada a assessores e assistência com armas, destinada a ajudar o país em sua batalha de quase uma década com grupos de jihadistas extremistas, tais como Al-Qaeda e o Daesh (grupos terroristas proibidos na Rússia e em muitos outros países).

    Mais:

    Com chegada de avançada corveta, Marinha de Israel se torna mais relevante no Mediterrâneo Oriental
    Irã lança navio de guerra pesado em meio às tensões com EUA (FOTOS, VÍDEO)
    Irã vai retomar 'automaticamente' os compromissos nucleares caso EUA levantem sanções, diz ministro
    Tags:
    Defesa, Oriente Médio, conflito, Síria, Irã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar