20:36 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Fronteira entre os países na cidade de Arar, na Arábia Saudita, está fechada desde 1990, ano em que as nações cortaram laços após a invasão do Kuwait por Saddam Hussein.

    O Iraque e a Arábia Saudita abriram a fronteira de Arar para o comércio pela primeira vez em três décadas, disse a comissão de portos de fronteira do Iraque nesta quarta-feira (18). As informações foram publicadas pela Reuters.

    Riad corteja Bagdá como parte de um esforço para conter a crescente influência regional do Irã. O Iraque, por sua vez, busca os benefícios econômicos ao estreitar laços com seu vizinho do sul.

    A reaproximação saudita-iraquiana remonta a 2015, quando a Arábia Saudita reabriu sua embaixada em Bagdá após uma pausa de 25 anos. Em 2017, um conselho de coordenação bilateral foi estabelecido para melhorar as relações entre as duas nações.

    Em julho deste ano, a Arábia Saudita e o Iraque assinaram acordos de investimentos em energia e esportes. O primeiro-ministro do Iraque, Mustafa al-Kadhimi, e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, também estabeleceram acordos de investimento conjunto cobrindo os setores de energia e saúde.

    "As relações entre a Arábia Saudita e o Iraque foram cortadas por cerca de 27 anos e agora celebramos uma conquista que se adapta às relações entre os países", disse o embaixador saudita Abdulaziz Alshamri.

    "Damos as boas-vindas a todos os produtos iraquianos a serem exportados para a Arábia Saudita, e por essa fronteira haverá uma troca de visitas entre os dois países", concluiu.

    Mais:

    Irã vai retomar 'automaticamente' os compromissos nucleares caso EUA levantem sanções, diz ministro
    Irã contra Iraque: a guerra de mártires que levou 2 países à devastação
    Militantes morrem em explosão enquanto planejavam ataque terrorista no Iraque
    Tags:
    fronteira, comércio, Arábia Saudita, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar